MENU

Câmara afasta vereadora suspeita de envolvimento em sequestro em MT

Câmara afasta vereadora suspeita de envolvimento em sequestro em MT

Atualizado: Quinta-feira, 4 Agosto de 2011 as 3:54

Por unanimidade, os vereadores da Câmara de Vila Bela da Santíssima Trindade, a 562 quilômetros da capital Cuiabá, decidiram afastar por 90 dias a vereadora Janine Elisabeth Veloso (PR), suspeita de evolvimento em um sequestro de um fazendeiro de 36 anos. Também durante a sessão da noite desta quarta-feira (3) foi formada uma comissão processante que vai apurar denúncias contra a vereadora.

A comissão, presidida pelo vereador Jonice Aparecido Marques (PSB), terá 90 dias para apresentar o relatório e decidir pela cassação da vereadora. Janine e outras sete pessoas foram presas suspeitas de sequestrar o filho de um fazendeiro na região e pedir resgate à família. Ela nega todas as acusações e continua presa por também ser suspeita de envolvimento neste crime.

O G1 entrou em contato com a advogada Juliana Nava, que defende a vereadora, mas ela não quis se manifestar sobre o assunto. Disse apenas que vai aguardar a notificação da decisão da Câmara e que ainda não teve acesso às informações que constam no inquérito policial.

A parlamentar já havia sido presa há cerca de dois anos em uma operação de combate ao tráfico de drogas na fronteira do estado de Mato Grosso com a Bolívia. O namorado da vereadora, suspeito de planejar o sequestro, se entregou à polícia. Ele se manteve calado durante o interrogatório e está preso na cadeia da cidade. Segundo a Polícia Civil, o filho do fazendeiro, que tem 36 anos, ficou em cárcere privado por quase uma semana, após ser sequestrado no dia 24 de julho.

Em depoimento à polícia, a vereadora negou qualquer colaboração com o crime e disse que estava próximo ao local do cativeiro porque teria ido dar um suporte ao marido, que estava com um dos pneus da moto furado. "A vereadora atuava dando todo o suporte para a quadrilha. Ela levava mantimentos e chegou a emprestar seu celular pessoal para fazer as ligações de resgate", descreveu a ação da vereadora o delegado Flávio Stringueta, da Gerência de Combate ao Crime Organizado (GCCO).          

veja também