MENU

Câmara de São Paulo instala CPI da pedofilia

Câmara de São Paulo instala CPI da pedofilia

Atualizado: Sexta-feira, 6 Março de 2009 as 12

Na última quinta-feira, 5 de março, a CPI da Pedofilia da Câmara Municipal de São Paulo instalou seus trabalhos, o presidente é o vereador Marcelo Aguiar (PSC),  o vice-presidente o vereador Quito Formiga (PR) e o relator é o vereador Carlos Alberto Bezerra Jr. (PSDB). 

As reuniões da CPI serão às quintas-feiras às 11h, quinzenalmente. Estiveram presentes à primeira reunião os vereadores Marcelo Aguiar, Quito Formiga, Carlos Alberto Bezerra Jr., Floriano Pesaro (PSDB), Netinho de Paula (PCdoB), Juliana Cardoso (PT) e Sandra Tadeu (DEM). 

Na reunião de instalação, estiveram presentes os deputados estaduais José Bruno (DEM) e Major Olímpio (PV), que acompanharam de perto as audiências que a CPI da Pedofilia do Senado Federal realizou em São Paulo. 

"Sonho que a Assembleia fosse um poder mais harmônico e independente como se porta a Câmara. Tenho certeza que a CPI vai esbarrar em circunstâncias altamente constrangedoras. Mesmo sendo um velho policial me prostrou ver barbaridades cometidas contra crianças de colo", declarou o deputado Major Olímpio. 

"Fiquei estarrecido com as imagens e com a maneira como o mal se estabelece na mente criminosa de um ser humano. Quero me colocar à disposição dessa CPI para que a gente possa trocar ideias", ressaltou o deputado Bruno, que propôs uma CPI de combate à pedofilia na Assembleia, mas que ainda se encontra na fila de espera. 

Ouvido pela nossa reportagem, o vereador Marcelo Aguiar passou em revista os desafios que a CPI tem pela frente. "Nós não podemos esquecer que na cidade de São Paulo os números são alarmantes. O crescimento da pedofilia tem sido absurdo. O prejuízo que traz às crianças e à saúde pública é muito grande. Nós temos mais ou menos, em 2008, 56% dos atendimentos que abrangem a faixa etária de 10 a 19 anos. De zero a nove anos, nós temos, entre 1939 indícios de violência contra crianças, 845 agressões sexuais, o que representa 43,6% dos atendimentos." 

"Nesse momento, nós temos uma CPI em nível federal. Nós temos aqui em São Paulo a responsabilidade não somente de investigarmos, mas colhermos o melhor dessas experiências nacionais e aplicarmos na cidade para que tenhamos uma legislação mais moderna e efetiva na repressão desses criminosos que lamentavelmente estão soltos", opina o relator Bezerra Jr. 

O relator formulou a preocupação de a Comissão não encontrar a clareza apropriada na definição do seu foco, do seu fato determinado. "Quando se fala nessa questão do abuso sexual da criança você tem vários temas que são correlatos: tráfico de pessoas, drogadição, tráfico de drogas, prostituição. Um grande risco que se corre ao investigar, se não se tiver foco, é se perder nessa variável enorme de nuances de todos esses temas. Então, é muito importante que a CPI tenha uma estratégia definida", finaliza.

Deputado José Bruno

A comissão que investigará a pedofilia na capital paulista terá o apoio do deputado José Bruno, que há um ano se dedica ao assunto no Estado, já tendo solicitado uma CPI na Alesp, que aguarda instalação, e protocolado seis projetos de lei para combater o crime em São Paulo.

"A Câmara Municipal de São Paulo é a primeira  Casa Legislativa do Estado a instalar a CPI da pedofilia, o que mostra a sensibilidade dos representantes do povo da nossa cidade à situação de exploração e ameaças, a que centenas de crianças e adolescentes  têm sido submetidos diariamente",  declarou José Bruno, após parabenizar os parlamentares que integram a comissão e ao vereador Marcelo Aguiar pela iniciativa.   

Fontes: Câmara Municipal de São Paulo e Assessoria José Bruno

veja também