MENU

Carros são atingidos por inundação em estacionamento de Metrô em SP

Carros são atingidos por inundação em estacionamento de Metrô em SP

Atualizado: Terça-feira, 1 Março de 2011 as 8:04

Mais uma vez neste verão, dezenas de carros foram atingidos, nesta segunda-feira (28), por uma inundação de um córrego, um afluente do Córrego Aricanduva, na região da estação Penha do Metrô, na Zona Leste de São Paulo. Muitos deles, inclusive, encontravam-se parados no estacionamento da própria estação. Outros veículos atingidos estavam estacionados na Rua Cairo, ao lado da estação.     Sob o estacionamento, passa o córrego, que foi canalizado neste trecho. A cerca de 500 metros do local, foi construído um piscinão. Mais uma vez, no entanto, o piscinão não suportou a vazão decorrente da forte chuva desta segunda-feira. Na noite do dia 24 de janeiro, véspera do aniversário de São Paulo, a região viveu situação semelhante, com carros ficando empilhados devido a uma enchente.

Muitos carros que estavam parados na rua foram arrastados – alguns por mais de 50 metros - em direção a uma rotatória próxima, que interliga a Rua Cairo, com a Rua Major Ângelo Zanchi e a Rua Guaiaúna. E os veículos que se encontravam no estacionamento da estação encheram de água. Em alguns casos, foram jogados uns contra os outros pela força da correnteza.

De acordo com um funcionário, que não quis se identificar, o seguro do estacionamento só cobre prejuízos com roubo ou incêndio. No local, não há placas que indiquem que há risco de inundação na parte mais baixa do estacionamento, próximo à Rua Cairo. O publicitário Henrique Cazelli, de 19 anos, ao seu deparar com o seu Fiat Uno cheio de água, não descartou a possibilidade de entrar com uma ação de indenização. “Quando cheguei estava cheio de água dentro do carro. Já tinha ouvido falar que enchia, mas na hora de deixar o carro você nem se preocupa”, disse.

Do lado de fora do estacionamento, o contador Luís Figueiredo, de 65 anos, chegou a encontrar o seu carro cerca de 30 metros do local onde o havia estacionado. “Fui trabalhar, no Fórum da Barra Funda (Zona Oeste), e deixei o carro na rua, para ir de metrô. Quando cheguei, não estava no lugar. Tive de sair procurando”, contou. Ele disse que sabia que havia risco de enchentes no local. “Mas não tinha ideia de que era tanto assim”, ressaltou.

Susto parecido teve Elaine Cavalcante Mortari, de 44 anos, que também deixou o carro estacionado na Rua Cairo, para ir de metrô fazer um curso na região central. Ao chegar, encontrou um carro parecido com o dela, um Siena Fire, no mesmo lugar, mas logo descobriu que se tratava de um outro veículo.

“Liguei desesperada para o meu marido, chorando, dizendo que o carro tinha sido levado. Depois de caminhar um pouco, eu o encontrei a 50 metros de onde o deixei. Eu nem imaginava que enchia deste jeito, a ponto de arrastar um carro”, disse.

Apesar de o carro ter seguro, ela descreveu a sensação de ver um bem de valor quase ser perdido como “horrível”. “Estou morta, quebrada. A gente acha que nunca vai acontecer com a gente, mas quando acontece, perde o rumo”, afirmou.

veja também