Casa 'anda' cerca de 8 metros com a força da enxurrada em Itaipava

Casa 'anda' cerca de 8 metros com a força da enxurrada em Itaipava

Atualizado: Sábado, 22 Janeiro de 2011 as 8:06

Uma situação insólita ocorreu em uma localidade conhecida como Buraco do Sapo, no distrito de Itaipava, em Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro. Em meio a muita devastação, com construções completamente destruídas, uma casa inteira foi deslocada por cerca de oito metros pela força da enxurrada que varreu o Vale do Cuiabá, onde fica a localidade.

A tragédia que assolou a Região Serrana do Rio de Janeiro, na madrugada de 12 de janeiro, provocou mais de 760 mortes e deixou mais de 25 mil desabrigados e desalojados. A casa, de dois andares, foi arrancada da fundação e arrastada até se chocar com outra residência.

A cena surpreende porque a casa quase não sofreu danos, apesar de o primeiro andar ter sido invadido por água e lama. “A casa andou inteirinha. A minha prima mora no andar de cima e meu tio, no de baixo”, contou o estudante José Mário dos Santos, de 16 anos, que vive em uma casa ao lado.

“A água subiu muito rápido. Em cerca de 20 minutos tomou conta de tudo”, contou o programador de bordados José Renato Ribeiro dos Reis, de 42 anos, um outro tio de José Mário. “Quem mora no Buraco do Sapo, no Vale do Cuiabá, está acostumado a cheias de um metro. Mas, dessa vez, o rio subiu uns quatro metros. Quase invadiu o segundo andar da minha casa. Mais um pouco e a minha família tinha morrido”, recordou Reis.

Moradores querem sair para lugar melhor Muitas casas e carros foram destruídos no Buraco do Sapo. De acordo com moradores, uma pessoa morreu no local, e outros dois corpos, de pessoas que viviam em outros pontos do Vale do Cuiabá, foram trazidos pelo rio.

Além disso, também foram recolhidos dois cavalos e uma vaca mortos. “Eu ainda não consigo responder se vou sair daqui. Estamos muito abalados e a ficha cai aos poucos. Mas não adianta ser arrancado daqui pela prefeitura para morar em um lugar que dê um nó ainda maior na minha vida”, disse Reis. Já a operadora de máquina Sandra Silva de Paula, de 45 anos, nascida e criada no Buraco do Sapo, quer sair do lugar assim que puder.

“Não quero mais ficar na minha casa. Além do rio, também tem um morro que pode desabar”, contou ela. “Se me derem alguma coisa, algum dinheiro pelo que sobrou da minha casa, eu vou tentar começar minha vida de novo”, complementou.

Por: Bernardo Tabak

veja também