Casal feito refém reconhece suspeito foragido de sequestro do ônibus

Casal feito refém reconhece suspeito foragido de sequestro do ônibus

Atualizado: Quinta-feira, 11 Agosto de 2011 as 2:35

O casal que foi rendido em um carro durante o sequestro do ônibus no Centro do Rio reconheceu por fotos o quarto criminoso da ação que está foragido. Eles prestaram depoimento nesta quinta-feira na 6ª DP (Cidade Nova). As informações são do chefe do setor de investigação da delegacia, inspetor Ferreira.

A polícia afirmou que, segundo relato do casal, o suspeito ficou com a arma apontada para a cabeça do motorista e estava sentado no banco de trás do carro. Como forma de intimidar o casal, ele ficava repetindo "olha o 174, lembra do 174", em referência ao sequestro do ônibus da linha 174 no ano 2000, que terminou com o sequestrador e uma vítima mortos.

O casal contou que foi abordado na Avenida Presidente Vargas e foi obrigado a dirigir até a favela de Manguinhos, na Zona Norte. Chegando lá, ele liberou o casal em seu carro e fugiu.

Após ser ouvido por cerca de uma hora, o casal deixou a delegacia sem falar com a imprensa.

Dois policiais são indiciados por lesão corporal

Dois policiais militares assumiram a responsabilidade pelos tiros disparados contra o ônibus da viação Jurema, abordado por suspeitos na Avenida Presidente Vargas, no Centro do Rio, na noite de terça-feira (9). A informação é da delegada Sania Burlandi, da 6ª DP (Cidade Nova), que informou ainda que os policiais já entregaram as armas e respondem por lesão corporal. Os tiros deixaram quatro passageiros e um PM feridos.

"Eles são autores de crime. Eles admitiram terem sido autores dos disparos e já respondem por lesão corporal. Se alguma vítima vier a falecer, vão responder por homicídio culposo", explicou a delegada que confirmou que os policiais já foram indiciados.

Decretação de prisão

Três suspeitos de sequestrar o ônibus foram presos. A delegada aguarda a decretação da prisão preventiva para sair em busca do quarto suspeito do crime, que está foragido. O mandado deve ser expedido pela 20ª Vara Criminal do Rio.

"Assim que chegar o decreto, toda a equipe da 6ª DP estará na rua para cumprir esse mandado de prisão e faremos apresentação à imprensa", explicou a delegada.

'Eixo principal está resolvido'

Para a delegada, saber de onde partiram os tiros é uma questão que a perícia vai responder e não é o eixo principal da investigação: "O eixo principal já está concluído: roubo com emprego de arma de fogo e privação de liberdade das vítimas.Todos os autores foram identificados, três foram presos, temos o pedido de prisão de um foragido, e estamos aguardando e resposta do juiz", disse.

Ela explicou que foram apreendidas cinco armas: duas armas dos presos, uma do PM que foi ferido e as duas armas dos PMs que assumiram a responsabilidade pelos tiros.

Relembre o sequestro

O ônibus que liga a Praça XV a Duque de Caxias, na Baixada Fluminense, foi cercado pela polícia na pista sentido Praça da Bandeira, na altura do Sambódromo. Quando o ônibus parou no ponto, os criminosos entraram e pagaram a passagem. O motorista desconfiou e no ponto seguinte conseguiu fazer sinal para dois policiais e aproveitou para fugir.

Policiais militares do batalhões do Méier, de São Cristóvão e da Praça Tiradentes, do Batalhão de Policiamento de Choque (BPCHQ) e do Batalhão de Operações Especiais (Bope) foram acionados para o local. Os pneus do ônibus foram furados após duas tentativas de fuga dos criminosos. Policiais armados de fuzis e pistola se posicionaram do outro lado da pista.

Após uma hora e meia, os dois criminosos que estavam no ônibus se renderam. Mais tarde, a polícia prendeu em flagrante um suspeito que tinha fugido para Manguinhos. Ele foi preso quando recebia atendimento num hospital, em Copacabana, na Zona Sul. Um suspeito já identificado está foragido e a 6ª DP aguarda a Jstiça decretar sua prisão preventiva para partir em diligências para localizá-lo.            

veja também