MENU

"Cats": Musical da Broadway chega à São Paulo

"Cats": Musical da Broadway chega à São Paulo

Atualizado: Quinta-feira, 4 Março de 2010 as 12

Entra em temporada hoje no Teatro Abril mais uma "peça de museu" da Broadway, "Cats", musical já visto em 20 países, que teve sua primeira estreia em Londres em 1981 e no ano seguinte nos EUA. A coreografia, com forte base no jazz e em acrobacias e trejeitos felinos a dar de rodo, é que responde por boa parte do sucesso e alguns dos principais prêmios da peça --mas também por um forte cheiro de naftalina.

O espetáculo chega a São Paulo tal qual a montagem original do inglês Trevor Nunn, escrito e musicado por Andrew Lloyd Webber, ainda que com uma pequena abertura para o tempero brasileiro que tem pincelado a onda dos musicais.

No caso de "Cats", esse sotaque fica um tantinho mais forte porque é a cantora de MPB black Paula Lima quem assume um dos papéis centrais, além de Toquinho assinando a tradução das letras, baseadas em 14 poemas do livro infantil "Old Possum's Book of Practical Cats", de T.S. Eliot.

Segundo Toquinho, apesar do rigor necessário para respeitar a métrica, esse ainda é um trabalho até certo ponto autoral. "O excesso de liberdade que me deram é que me preocupou. Foi difícil estabelecer limites. Mas, se jogam você amarrado no mar, você tem que se desamarrar, senão morre."

A tradução para um dos números do musical, "Gus, the Theatre Cat", cita os nomes de Paulo Autran e de Fernanda --que, supõe-se, diz respeito a Fernanda Montenegro. O mesmo trecho do original em inglês, "He has acted with Irving, he's acted with Tree" (ele atuou com Irving, ele atuou com Tree), faz referência a dois ícones do teatro da era vitoriana, Henry Irving e Herbert Beerbohm Tree.

À frente de um cenário bem trabalhado, cheio de sucatas de um grande lixão, os gatos vão aparecendo para narrar a história de uma espécie de tribo, os Jellicle Cats. Seus integrantes se reúnem para ouvir, de um líder, o anúncio de um paraíso chamado "Heavyside Layer".

Paula Lima tem mais presença no segundo ato (a peça tem dois), embora interprete no primeiro a famosa canção "Memory" --ponto alto do musical-- que foi gravada por Barbra Streisand e Barry Manilow, entre outros cantores.

veja também