MENU

Celular levou polícia a ligar vereador a crime no subúrbio do Rio

Celular levou polícia a ligar vereador a crime no subúrbio do Rio

Atualizado: Terça-feira, 4 Janeiro de 2011 as 4:32

Um celular deixado no local onde o ex-cabo eleitoral Marcelo Siqueira Lopes, o Marcelo Agulha, foi morto no dia 21 de junho de 2010, no Rio, levou a polícia a identificar o vereador Fausto Loureiro Alves (PTB) como mandante do crime. A informação foi confirmada pelo delegado Celso Ribeiro, da Divisão de Homicídios.

Ainda segundo ele, o aparelho pertencia a um suspeito que foi preso no dia 25 de agosto do ano passado.

A vítima foi assassinada na Rua Irué, em Bento Ribeiro, no subúrbio.

Ainda segundo o delegado, com o suspeito foi encontrada uma carteira que lhe dava trânsito livre na Câmara de Vereadores do Rio. “Chegamos ao vereador rastreando ligações deste aparelho celular, com depoimento de testemunhas e através de provas técnicas”, afirmou Celso Ribeiro.

No dia do crime, o suspeito estava no banco do carona e outro homem, também envolvido no crime, segundo a polícia, dirigia o veículo. O mandado de prisão do outro suspeito está sendo providenciado, informou a polícia.

Versão do advogado

Na tarde desta terça-feira (4), o advogado do parlamentar, Sidnei Costa, compareceu à Divisão de Homicídios, na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio. Costa negou o envolvimento do vereador e dos outros dois suspeitos no assassinado do ex-cabo eleitoral.

Sidney explicou que deve assumir também a defesa dos dois. “Os três estavam na casa do vereador, a 200 metros do local, na hora do crime. Quem está acusando o parlamentar e seus dois assessores são três pessoas demitidas por ele um pouco antes do crime”, afirmou o advogado.

O advogado disse ainda que o celular não foi encontrado no local do crime, como aponta a investigação policial. “Vamos provar que o aparelho não estava lá”, disse. Costa informou também que seu cliente continua no Nordeste. "Não estou conseguindo contato com ele, mas assim que conseguir, ele vai se apresentar à polícia do Rio", explicou.

Considerado foragido

Fausto Loureiro Alves vai responder por homicídio qualificado, podendo pegar de 12 a 30 anos de prisão. Já os outros dois suspeitos vão responder por homicídio duplamente qualificado.

O delegado Celso Ribeiro explicou que o vereador é considerado foragido após diversas buscas feitas pela Divisão de Homicídios em Bento Ribeiro na tarde de segunda-feira (3). O parlamentar teve a prisão decretada pelo 3º Tribunal do Júri do Rio.

A prisão foi decretada no dia 17 de dezembro. O vereador não teria comparecido na segunda à votação da Mesa Diretora da Câmara Municipal.

veja também