Cemitérios têm túmulos quebrados e saqueados pelo país

Cemitérios têm túmulos quebrados e saqueados pelo país

Atualizado: Segunda-feira, 9 Agosto de 2010 as 8:42

Túmulos sem portas, saqueados e destruídos. Cemitérios de todo o Brasil estão abandonados e mal conservados. Há casos graves também de contaminação do meio ambiente e de falta de segurança. Em São Paulo, o metro quadrado de um jazigo no Cemitério Público Quarta Parada custa mais de R$ 3 mil e chega a ser mais caro do que o de um apartamento na mesma região. Apesar do preço, há problemas com a estrutura. A área onde o lixo é armazenado fica bem no meio do cemitério. É possível encontrar desde coroas de flores, cruzes, até estruturas usadas nos túmulos.

No Cemitério da Vila Formosa, também em São Paulo, os frequentadores reclamam da falta de segurança. “Tem que vir rapidinho, fazer as orações, deixar as velas e sair depressa”, conta a aposentada Elza Pinto Roque.

O Cemitério de Irajá, no Rio de Janeiro, também tem túmulos quebrados e pichados. No São João Batista, sepulturas danificadas convivem com água parada, lodo e muitos insetos. Já no Cemitério Municipal da Solidão, em Belford Roxo (RJ), além de lixo, mato e túmulos em péssimo estado, há um buraco, sem nenhum tipo de isolamento, onde são depositados restos de ossos. Em Teresina, no Piauí, no Cemitério Areias, muitas das 4,6 mil sepulturas estão cobertas pelo mato. Nos fundos do local, uma galeria despeja esgoto constantemente. Por causa da poluição, o Ministério Público interditou o local.

A Santa Casa de Misericórdia, que cuida dos cemitérios de Irajá e São João Batista, no Rio de Janeiro, informou em nota que vai fazer um levantamento dos problemas. A Prefeitura de Belford Roxo disse que está trocando todas as tampas das sepulturas do Cemitério da Solidão e que ele será pintado em outubro.

Em São Paulo, a prefeitura afirmou que está investindo R$ 25 milhões na reforma dos cemitérios da cidade - e que a Guarda Civil vai intensificar as rondas nos cemitérios da Vila Formosa e da Quarta Parada.

veja também