MENU

Chega a 102 número de mortos por causa da chuva no Rio

Chega a 102 número de mortos por causa da chuva no Rio

Atualizado: Quarta-feira, 7 Abril de 2010 as 12

O temporal que atinge o Rio desde o fim da tarde de segunda-feira, dia 5, já deixou 102 mortos em todo o estado. As zonas Oeste e Norte, especialmente as regiões perto do Centro da capital carioca, e a cidade de Niterói, na Região Metropolitana, foram as mais atingidas, segundo o Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro (Geo-Rio).

De acordo com o Corpo de Bombeiros, na capital foram registradas 37 vítimas fatais; em Niterói (Região Metropolitana), 53 mortes; nove em São Gonçalo (Região Metropolitana); uma em Nilópolis (Baixada Fluminense), assim como em Petrópolis, na Região Serrana, e outra morte em Paracambi.

Por volta das 22h30, voltou a chover forte em alguns pontos da Zona Sul do Rio de Janeiro. A Lagoa Rodrigo de Freitas apresentou pontos de alagamentos. Houve vários bolsões d’água na via. Segundo moradores, também choveu forte nas zonas Norte e Oeste. No fim da noite, a chuva perdeu força, mas o mau tempo provocou ventania em vários bairros.

O Rio de Janeiro registrou volume de chuva recorde para um único dia - o maior em pelo menos 44 anos -, causando estragos e deslizamentos em vários locais da região metropolitana entre esta segunda e terça-feira. Bairros ficaram ilhados e sem energia. Há ainda registros de grandes volumes de água em toda a cidade.

O município de Niterói foi um dos mais afetados pelo temporal, e registrou o maior número de vítimas fatais no estado: 53, segundo a prefeitura. O prefeito Jorge Roberto Silveira decretou luto oficial de uma semana. Foram registrados óbitos nas localidades do Morro Boa Vista, Cubango, Tenente Jardim, Ponta da Areia, Riodades, Martins Torres, Fonseca, Morro Cova da Onça, Santa Bárbara, Morro do Bumba, Estrada da Cachoeira, Estrada Fróes e Travessa Beltrão.

Em entrevista coletiva na tarde desta terça-feira (6), o prefeito Jorge Roberto Silveira informou que decretou situação de emergência em todo o município. O secretário estadual de Saúde e Defesa Civil, Sérgio Côrtes, disse que mais de 300 homens do Corpo de Bombeiros e Defesa Civil trabalham no resgate de vítimas em Niterói.

Muitos moradores relataram momentos de perigo e medo. "Agora depois da enchente eu passei na casa de cima. Se eu estivesse lá embaixo eu morreria, porque desta vez a água atingiu o teto", disse a técnica em enfermagem aposentada Dalmair dos Santos Lima, 70 anos, moradora de São Gonçalo.

Pelo menos 200 pessoas foram resgatadas por técnicos da Defesa Civil na cidade do Rio de janeiro desde o início das chuvas até por volta de 13h desta terça. As encostas de todo o Rio correm risco de desabamento.

Chuva recorde

Institutos consultados pelo G1 apontam que o volume é o maior das últimas décadas. De acordo com o Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet), os dados indicam que a quantidade foi a mais elevada desde 1962, há 48 anos, quando foi registrado o maior volume em único dia pela série histórica - a medição é feita desde 1917. Já segundo a prefeitura do Rio, o volume registrado bateu o das chuvas de 1966, há 44 anos, quando tempestades também causaram estragos no município.

O Instituto de Geotécnica do Município do Rio de Janeiro (Georio), que analisa os dados pluviométricos de 32 locais da cidade, destaca que, somente nos seis primeiros dias deste mês, já choveu na maioria das estações mais do que em todos os meses de abril desde o início da série histórica, de 1997.

Dados do arquivo do Inmet em Brasília apontam que, no dia 16 de janeiro de 1962, quando fortes chuvas também causaram estragos no município, o volume havia sido de 167,4 milímetros em 24 horas - o Inmet mede os dados na capital carioca desde 1917.

A estimativa de ser a maior chuva desde 1962 é feita com base nos dados do Georio, cujos dados também são utilizados por institutos como Centro de Previsão do Tempo e Estudos Climáticos (Cptec) e Instituto de Pesquisas Espaciais (Inpe).

O Georio aponta que, nas últimas 24 horas encerradas 17h11 desta terça, a maioria das 32 estações de medição registraram chuvas acima de 167 milímetros. Em Vidigal choveu 258 milímetros em 24 horas; na Rocinha choveu 299 milímetros; na Tijuca, 274 milímetros; e no Jardim Botânico, 296 milímetros - confira a situação em todas as estações .

Mais cedo, o prefeito do Rio de Janeiro, Eduardo Paes, disse que o recorde era o de 1966, quando foram registrados 245 milímetros em 24 horas. Segundo ele, em 1988, quando houve outra grande enchente, foram 230 milímetros em 24 horas. Em 1996, 201 milímetros em 24 horas; e nesta chuva, 288 milímetros em 24 horas.

Em coletiva à imprensa, os dados foram atribuídos ao Alerta Rio. O instituto informou que começou sua medição em 1997, mas tem informações registradas sobre os episódios de chuva extrema.

Causas

De acordo com meteorologistas ouvidos pelo G1, as chuvas fortes que atingem o rio são "anormais" para a época causadas por dois fatores: o calor acumulado na atmosfera, uma vez que as temperaturas registradas na cidade foram muito elevadas no verão e uma frente fria que passou pela região.

Para Lúcio de Souza, do Inmet, a frente fria é a principal razão. Ele destacou que, embora com volume atípico de chuva, trata-se de uma situação normal para a época. "A condição da atmosfera, por causa da alta umidade em razão do verão, favoreceu."

Gustavo Escobar, do Inpe, chama, no entanto, a situação de "anômala". "A frente fria que chegou, combinada com atmosfera carregada de umidade e o calor dos últimos tempos, foi um gatilho para o temportal. A combinação provocou esse evento anômalo."

Técnico do Climatempo, Alexandre Nascimento disse que o forte calor dos primeiros meses do ano foi crucial para o forte temporal. "A média de temperatura em janeiro e fevereiro ficou acima dos 36º, de cinco a seis graus acima do normal. Caiu um pouco em março, com média de 33º, mas também acima do normal. A frente fria encontrou a atmosfera muito quente, úmida, e o volume de água foi uma resposta a todo esse calorão."

Aquecimento global?

Para o meteorologista Igor Oliveira, do Alerta Rio, ligado ao Georio, não é possível associar o fenômeno, que classificou de "atípico", com  o aquecimento global, mas também não se pode descartar sua influência.

Para ele, abril deste ano vai ficar marcado. "As chuvas já estão acima do normal comparando com outros meses de abril, então mesmo que daqui para frente chova pouco, isso vai contribuir muito. A situação é anormal, embora haja uma explicação, que é a combinação da frente fria com a atmosfera quente e úmida. Muita gente gosta de dizer que é o aquecimento global, e essa é uma hipótese muito provável, mas não dá para saber, precisamos de estudos mais amplos."

Oliveira destacou que a maré alta na noite de segunda ajudou a favorecer os alagamentos na cidade do Rio.

Autoridades

O governador do Rio, Sérgio Cabral, destacou que a "grande causa" das mortes são as ocupações irregulares. "Entre os mortos, todos praticamente (estavam) em áreas de risco", disse, em entrevista por telefone à Globo News, no começo da tarde desta terça-feira, dia 6. "Pediria pelo amor de Deus que as pessoas que estão em áreas de risco saiam, procurem centros sociais", completou.

O prefeito Eduardo Paes recomendou, durante a manhã, que a população não saísse de casa. A cidade ficou em estado de alerta máximo. "Nosso apelo é para que as pessoas permaneçam em casa, não saiam de casa, não levem seus filhos ao colégio", disse Paes. A prefeitura determinou a suspensão das aulas.

veja também