MENU

Ciclista deve ficar atento às regras de trânsito

Ciclista deve ficar atento às regras de trânsito

Atualizado: Quarta-feira, 11 Maio de 2011 as 2:02

  Pedalar pelas ruas de São Paulo exige alguns cuidados. Ainda mais se você usar a bicicleta como um meio de transporte. Capacete, cotoveleira, joelheira, luvas, nada disso é exigido por lei. Mas quem se preocupa com a própria segurança, usa. Para circular à noite, a bike tem que ter farol na frente e atrás e faixas refletoras. Também tem que ter espelho retrovisor do lado esquerdo e buzina.

Para ajudar os novatos a enfrentar o caos do trânsito, voluntários do “Bike Anjos” orientam, de graça, os ciclistas a andar com segurança. “O conceito básico é importante pra quem anda de bicicleta na cidade. É preciso saber o seguinte: pelo Código Brasileiro de Trânsito, o momento em que você monta numa bicicleta, os seus direitos e deveres se equivalem ao de um carro. Então tudo de conversão proibida, placa de pare, rotatória”, ensina Carlos Aranha, voluntário do “Bike Anjos”.     Segundo Aranha, a dica básica é não ir colado ao meio fio. “Se você vai muito colado, você está passando até inconscientemente a mensagem para motorista de que pode vir, pode passar que dá. Se você ocupa a faixa, você está dando um recado pra ele que você é um veículo, que ele tem que te esperar”.

“O motorista já entendeu que ele, na verdade, deveria agradecer ao ciclista que está na rua porque ele é um carro a menos. A gente está diminuindo o trânsito, está diminuindo a poluição e colaborando pra que ele chegue mais rápido também”, completa o voluntário.

Outras regras devem ser seguidas. Para atravessar na faixa de pedestre, tem que sair da bicicleta. Quando for fazer uma conversão, sinalize com o braço, pois esta ação é uma das mais perigosas.

“A conversão é um problema muito comum. Quando você está numa rua, quer seguir em frente e o carro que está atrás de você ou do lado e quer virar à direita, nessa hora a gente faz o contrário. A gente ocupa mesmo a faixa, vem para o meio e coloca a mão”, explica Carlos.      

veja também