Cidade de Deus vai ter moeda própria e banco comunitário

Cidade de Deus vai ter moeda própria e banco comunitário

Atualizado: Quarta-feira, 29 Junho de 2011 as 3:02

Objetivo do projeto é motivar o desenvolvimento do

comércio (Foto: Arquivo Reprodução / TV Globo)

  Incentivar os pequenos empreendedores e impulsionar o desenvolvimento do comércio local são os objetivos do Banco Comunitário da Cidade de Deus, na Zona Oeste do Rio, a primeira comunidade do Rio a ter um banco com moeda social própria, a chamada "CDD", uma referência à silga da comunidade. A previsão é que o projeto comece a funcionar em agosto.

A iniciativa é da Secretaria municipal de Desenvolvimento Econômico Solidário do Rio e conta ainda com o apoio da Caixa Econômica Federal, que será a responsável por viabilizar toda a operação do banco comunitário.

As cédulas de CDD serão impressas nos valores de 1, 2, 5, 10 e 0,50. Elas homenagearão personalidades da comunidade, como Dona Benta, uma artesã bastante conhecida pelos moradores. Nesta quinta-feira (30), em uma reunião na própria comunidade, serão apresentados os modelos das notas que serão impressas.     A moeda socialpermite que moradores e comerciantes peguem empréstimos e obtenham descontos na compra de produtos em estabelecimentos da região. Através do banco comunitário será possível, inclusive, obter empréstimos em reais.

Moradores de outros bairros podem trocar reais por CDDs

“O banco cadastra o comerciante e, assim, ele está apto para receber a moeda social. A própria comunidade e os comerciantes podem fazer a troca de moedas no banco comunitário”, explicou o subsecretário de Desenvolvimento Econômico Solidário, Vinicius Assumpção. Segundo ele, até mesmo moradores de outras regiões e turistas poderão trocar seus reais por CDDs. A moeda social, no entanto, só pode ser usada na comunidade.

A emissão de CDDs será de acordo com o aporte inicial de dinheiro da instituição comunitária. Para Assumpção, conforme o projeto comece a se desenvolver, a tendência é que a moeda seja emitida em maior volume. Ele afirma que o impulso no desenvolvimento será motivado pelas vendas e empréstimos feitos pelo banco.

“A comunidade está muito mobilizada, muito empolgada. Eles estão se sentido com poder, sentido como se estivessem criando um banco”, contou o subsecretário. Todo o projeto de criação do banco e da moeda social foram discutidos em reuniões com líderes comunitários, representantes de igrejas e membros da secretaria.

Projeto é inspirado em banco de Fortaleza

O Banco Comunitário da Cidade de Deus, assim como a moeda CDD, foram inspirados no projeto do Instituto Palmas, gestor do primeiro banco comunitário do país, o Banco Palmas, criado na comunidade de mesmo nome, na cidade de Fortaleza.

Nas próximas semanas, novas reuniões vão definir os valores dos empréstimos, os prazos para pagamento e se pessoas com algum registro nos órgãos de proteção ao crédito poderão pegar dinheiro emprestado no banco.          

veja também