MENU

Cidade de São Paulo tem 522 mil pessoas em área de risco

Cidade de São Paulo tem 522 mil pessoas em área de risco

Atualizado: Sábado, 14 Maio de 2011 as 8:20

    Pesquisa da Fundação Seade encomendada pela Secretaria da Habitação traçou o mais completo mapa de áreas de risco de São Paulo. Segundo o levantamento, obtido com exclusividade pelo Estado, pelo menos 522 mil pessoas vivem em locais impróprios para o assentamento humano no mais rico Estado da federação. Se fossem aglomerados no mesmo espaço urbano, esses habitantes formariam uma cidade quase do tamanho de São Caetano do Sul e Diadema juntas (535.610 habitantes).

Outra revelação da pesquisa é que as áreas de risco não estão concentradas apenas na região metropolitana e no litoral. No total, são 173.978 domicílios localizados em 3.042 locais impróprios que estão espalhados por 232 municípios dos 645 do Estado de São Paulo.

A maior incidência do problema, no entanto, ocorre mesmo na região metropolitana da capital, onde 92% das cidades têm famílias vivendo em locais inadequados e sujeitos a desastres ambientais. Só o município de São Paulo responde por 562 áreas de risco identificadas - 18,5% do total -, com 36 mil domicílios.

Conforme os cálculos da Fundação Seade, vinculada à Secretaria Estadual de Planejamento e Desenvolvimento Regional do Estado de São Paulo, cada domicílio tem em média três moradores. O levantamento foi feito no decorrer do ano passado e pesquisou 594 dos 645 municípios paulistas. O estudo inédito vai nortear as ações da Secretaria da Habitação na remoção de moradores dessas áreas e consequente reurbanização de favelas - 4.153 distribuídas em 133 municípios, 20% do total do Estado.

Prefeitura Em fevereiro, a Prefeitura de São Paulo divulgou estudo do IPT (Instituto de Pesquisas Tecnológicas) que apontou que a cidade possui 407 áreas de risco de desabamento, em 26 subprefeituras. Na zona sul, são 176 regiões em risco, 107 na zona norte cem na leste e 24 na oeste. No mesmo dia, a administração municipal disponibilizou a visualização de todas as áreas de risco de desabamento. O estudo com as imagens que podem ser clicadas pelo recurso do Google Maps também mostrou que a região de M’boi Mirim, na zona sul, é a que possui mais áreas de risco, foram 50 mapeadas. Em seguida, está o bairro Capela do Socorro, com 42 áreas de risco. Em terceiro lugar, ficou o Campo Limpo, com 32 áreas consideradas de risco.

Quase 29 mil moradias da cidade de São Paulo estão em área de risco considerado "alto" ou "muito alto". Outras 76 mil residências estão em áreas de médio e baixo. No total, segundo o IPT, 105 famílias estão em zonas com algum risco. Os dados foram divulgados na segunda-feira durante reunião no gabinete do prefeito Gilberto Kassab (DEM), na região central da capital paulista.        

veja também