Cinco horas após fim da chuva, SP ainda tem seis pontos de alagamento

Cinco horas após fim da chuva, SP ainda tem seis pontos de alagamento

Atualizado: Quarta-feira, 12 Janeiro de 2011 as 9:12

O Centro de Gerenciamento de Emergências (CGE) da Prefeitura de São Paulo registrava seis pontos de alagamento – apenas um intransitável - na cidade por volta das 8h40 desta quarta-feira (12). A madrugada foi de chuva na capital paulista, porém, sem tanta intensidade. O temporal deixou as zonas Norte e Leste, o Centro e a Marginal Tietê em estado de atenção entre 3h15 e 4h25. Houve chuva leve generalizada até por volta das 4h, com alguns pontos de chuva moderada. O acúmulo de água dos últimos dias gerou o estado de atenção.

Os pontos de alagamento estão concentrados nas zonas Norte e Leste, nas avenidas Alcântara Machado e Braz Leme. Na Rua Newton Prado, próximo à Rua Jaraguá, há um ponto intransitável. O CGE também registra um ponto de alagamento na Marginal Tietê, na Ponte das Bandeiras, no sentido da Rodovia Castello Branco.   Na Alameda Santos, esquina com a Rua Teixeira da Silva, nos Jardins, a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET) bloqueou totalmente a pista por causa de uma queda de árvore. Para quem segue pela Alameda Santos, o desvio está sendo feito pela Rua Maria Figueiredo. Quem passa pela Teixeira da Silva, a solução é seguir pela Avenida Paulista.

Transporte

Por causa da chuva desta madrugada, a circulação de trens no trecho entre as estações Caieiras e Franco da Rocha, da Linha 7-Rubi, da CPTM, estava interrompida por volta das 6h desta quarta-feira, na Grande São Paulo. O problema ocorre por causa de um ponto de alagamento. O mesmo problema já havia ocorrido na manhã desta terça-feira.

Na Rodovia Fernão Dias, uma queda de barreira interditava duas das três faixas do sentido São Paulo na altura do km 78, em Guarulhos, na região metropolitana. Por volta das 8h40, o motorista que trafegava pelo local enfrentava dois quilômetros de lentidão, segundo a concessionária que administra a rodovia.   Temporal

Entre o dia 1º de janeiro e 7h desta terça-feira, choveu na cidade de São Paulo 93% do previsto para todo mês, segundo informações o CGE. A chuva acumulada até esta manhã era de 221,2 mm, enquanto a média histórica para o mês, calculada pelo Instituto Nacional de Meteorologia (Inmet) com base nas medições no Mirante de Santana, na Zona Norte, é de 239 mm.

Apenas entre 22h de segunda-feira (10) e 7h desta terça choveu em média 68,8 mm na cidade – o que representa 29% da média para janeiro. As chuvas fortes que atingiram São Paulo na noite desta segunda-feira deixaram 13 mortos no estado: cinco em São José dos Campos, três em Mauá, três na capital paulista, um em Embu e outro em Mogi das Cruzes. A maioria das vítimas morreu após deslizamentos de terras em encostas.

Mortes

A Defesa Civil Estadual de São Paulo registrou 23 mortes no estado entre a data de início da Operação Verão, em 1º de dezembro de 2010 e esta terça-feira (11), segundo balanço divulgado às 18h30. Neste período, 12 mortes ocorreram na Capital e Grande São Paulo e outras 11 no interior do estado.

Apenas durante a chuva da noite de segunda-feira (10) e madrugada de terça, 13 pessoas morreram no estado de São Paulo - cinco em São José dos Campos, três em Mauá, três na capital paulista, um em Embu e outro em Mogi das Cruzes. A maioria das vítimas morreu após deslizamentos de terras em encostas.

Na capital, mãe e filha foram vítimas de desabamento da casa onde estavam, no bairro de Furnas, na Zona Norte, no início da madrugada desta terça-feira. No Centro de São Paulo, também foi registrada a morte de uma pessoa. O jovem de 27 anos ficou submerso em uma enchente na Avenida Nove de Julho, na Bela Vista. Ele chegou a ser socorrido na Santa Casa, mas morreu. A cidade chegou a registrar 120 pontos de alagamento e os rios Pinheiros e Tietê transbordaram.    

veja também