MENU

Colombianos são detidos por suspeita de furto em Cumbica

Colombianos são detidos por suspeita de furto em Cumbica

Atualizado: Quinta-feira, 24 Novembro de 2011 as 12:55

Uma mulher e três homens colombianos foram detidos entre quarta (23) e quinta-feira (24) sob suspeita de cometer furtos no Aeroporto de Cumbica, em Guarulhos, na Grande São Paulo, e em hotéis da capital. Dois já tinham sido detidos outras vezes por furto. Eles foram flagrados pelas câmeras de segurança do aeroporto, como mostrou o Bom Dia São Paulo.

“Eram todos furtos sem emprego de arma de fogo, sem violência ou grave ameaça”, afirmou a delegada Maria Cecília Dias.

A quadrilha utilizava um mesmo carro na cor prata, que era visto com frequência no aeroporto e chamou a atenção da polícia. Os estrangeiros detidos contaram à polícia que costumavam praticar os furtos nas asas A e D do aeroporto, onde ficam os guichês das companhias internacionais. Nessas áreas, transitam os passageiros com maior número de bagagens.

  Outros seis criminosos flagrados pelas câmeras de segurança foram presos entre terça (22) e quarta. Entre os detidos está uma peruana, que agia com o auxílio de um colega. Eles foram flagrados pelas câmeras do aeroporto cometendo furtos. No primeiro caso, eles seguem um médico de 64 anos que vai despachar a bagagem. A mulher e o comparsa ficam atrás da vítima. O ladrão se abaixa e pega a mala cheia de roupas, remédios e um aparelho eletrônico e vai embora. Quando percebe o crime, o dono da pequena mala se desespera.

No outro caso, a vítima escolhida está dentro de uma loja. A peruana fica ao lado dela, no balcão. O colega a peruana chega calmamente e pega a mala. Segundo a polícia, o ladrão ainda está em liberdade.

De acordo com a Polícia Civil, os ladrões preferem mochilas com notebook, valises que possam ter objetos de valor e ouras bagagens fáceis de carregar. Os passageiros devem ficar atentos e nunca deixar as malas fora do campo de visão.

Quando um estrangeiro é detido em Guarulhos, ele é processado no Brasil e, no caso de condenação, tem que cumprir pena no país.

veja também