MENU

Comissão discutirá entrada de oxi pela fronteira amazônica

Comissão discutirá entrada de oxi pela fronteira amazônica

Atualizado: Segunda-feira, 6 Junho de 2011 as 11:20

A Comissão da Amazônia, Integração Nacional e de Desenvolvimento Regional realiza audiência pública nesta terça-feira (7) para discutir medidas para coibir a disseminação do oxi no País, a entrada da droga pelas fronteiras da Amazônia e a fiscalização na região. O debate foi proposto pelos deputados Marcio Bittar (PSDB-AC), Padre Ton (PT-RO) e Antônia Lúcia (PSC-AC).

O oxi, abreviação de oxidado, é uma mistura de cocaína, querosene, cal e permanganato de potássio. Em alguns casos, o querosene é substitutído por gasolina, diesel e até solução de bateria. Assim como o crack, o oxi é uma pedra para consumo em cachimbos improvisados. A diferença é que é mais barato e mata mais rápido.

A pedra tem 80% de cocaína, enquanto o crack não passa de 40%. O oxi veio da Bolívia e do Peru e entrou no País pelo Acre, a partir dos municípios de Brasiléia e Epitaciolândia. Hoje, já está em todos os estados da Região Norte, em Goiás, no Mato Grosso do Sul, no Distrito Federal, em alguns estados do Nordeste e também em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Cortes no orçamento

Os deputados também vão discutir os cortes no orçamento da Polícia Federal, anunciados pelo governo federal em fevereiro deste ano. Os parlamentares advertem que a redução das verbas prejudicará a fiscalização na região, estimulando a entrada de mais droga pelas fronteiras. Segundo a PF, o corte prejudicará não só a fiscalização do tráfico de drogas pelas fronteiras, mas também o contrabando de armas.

Marcio Bittar (PSDB-AC) adverte que o cenário é grave, pois, por um lado, tem-se a constatação da entrada no Brasil de uma droga tão nociva à saúde e, de outro, o anúncio de cortes no orçamento da Polícia Federal.

Convidados

Foram convidados para o debate:

- o presidente da Frente Parlamentar de Defesa da Família, senador Magno Malta (PR-ES);

- o diretor-geral da Polícia Federal, Leandro Daiello Coimbra;

- o presidente da Fundação Nacional do Índio (Funai), Márcio Augusto de Meira;

- o secretário especial de Saúde Indígena, Antônio Alves de Souza;

- a secretária Nacional de Políticas sobre Drogas do Ministério da Justiça, Paulina da Carmo Arruda Vieira Duarte; e

- o presidente do Sindicato dos Delegados da Polícia Federal (Sindepol), Joel Zarpellon Mazo.          

veja também