MENU

Condenado no caso Mega-Sena está no regime semiaberto, diz advogado

Condenado no caso Mega-Sena está no regime semiaberto, diz advogado

Atualizado: Quarta-feira, 11 Agosto de 2010 as 9:08

O ex-policial militar Anderson Silva de Sousa foi beneficiado com a progressão de regime, um ano após a condenação a 18 anos pelo assassinato do ganhador da Mega-Sena, Renné Senna, em Rio Bonito, na Região das Baixadas Litorâneas. A informação foi dada pelo advogado de Anderson, Maurício Neville, nesta terça-feira (10).

Segundo Neville, Anderson agora cumpre pena em regime semiaberto, com direito de sair do presídio pela manhã e voltar à unidade à noite, para dormir. “Ele já cumpre o novo regime há uma semana.

Sousa – que foi condenado a homicídio triplamente qualificado por ter atirado em Senna, para quem trabalhava como segurança particular – cumpre pena na penitenciária Plácido de Sá Carvalho, em Bangu, na Zona Oeste.

Antes da condenação, o ex-PM já havia cumprido 2 anos de prisão, enquanto aguardava o julgamento do caso. No total, ele cumpriu três anos de prisão, o equivalente a 1/6 da pena, quando a lei possibilita a concessão do benefício de progressão de regime, explica o advogado.

Renné Senna, ex-trabalhador rural, ganhou R$ 52 milhões em um sorteio da Mega-Sena em 2005. Ele não tinha as duas pernas, em consequência da diabetes e foi morto em 7 de janeiro de 2007 , na porta de um bar, em Rio Bonito.

A Justiça do Rio concluiu que os disparos foram efetuados por Sousa, que fugiu na garupa de uma motocicleta dirigida por Ednei Gonçalves, que também foi condenado a 18 anos em regime fechado e ainda está preso. A acusada de ser a mandante do crime e viúva do milionário, Adriana Almeida, e mais três pessoas, ainda aguardam julgamento em liberdade.

Postado por: Thatiane de Souza Silva

veja também