MENU

Condenado por estupro é suspeito de ocultar corpo de bebê em MT

Condenado por estupro é suspeito de ocultar corpo de bebê em MT

Atualizado: Terça-feira, 20 Setembro de 2011 as 12:19

As investigações da Polícia Judiciária Civil de Mato Grosso que apuram as responsabilidades acerca da morte e ocultação do corpo de um bebê recém-nascido, em uma área de mata próxima a São Félix do Araguaia, a 1.159 quilômetros de Cuiabá, ganharam nesta semana um elemento novo. A polícia descobriu que o jovem suspeito de enterrar o corpo do menino já foi preso, no passado, por um crime de violência sexual contra a própria garota mãe da criança.

O caso veio à tona durante levantamento realizado para verificar os antecedentes criminais do suspeito. Em 2001, ele se envolveu em uma ocorrência de estupro contra uma garota. Na época, ela tinha 12 anos. Em 2010, o suspeito foi condenado pela Justiça a seis anos de reclusão, mas atualmente vivia em liberdade. Para a polícia, embora o histórico chame a atenção para o fato de o homem e a mulher já se conhecerem, não há como afirmar se ambos agiram diretamente na morte do bebê.   Santana diz que não haverá mudanças no curso das investigações. A mulher foi indiciada pelo crime de homicídio contra o filho e ele por ocultação. No entanto, segundo o policial, algumas dúvidas precisam ser esclarecidas. Entre elas, o que levou o homem a 'ajudar' a menina enterrando o bebê já que ele havia sido preso por um crime cometido contra ela.

"A investigaçao não levantou este conhecimento que a mãe teria pedido para ele enterrar a criança. É uma questão estranha como ele sabia da localização do bebê. A lógica seria que ela tivesse pedido que ele ocultasse o corpo", declarou o delegado Wilyney Santana Borges, em entrevista ao G1 .

Ao ser ouvido pela polícia, o jovem manteve a versão de que só enterrou o corpo do bebê para evitar que aves fossem atraídas. "Ele conta que a menina chegou assustada na residência. Aí ele saiu andando próximo da residência onde ele teria encontrado o cadáver da criança. Por isso, em um ato de impulso, resolveu enterrar. Depois, pensou que poderia trazer complicações e desenterrou", complementou o delegado.

Dos dois inquéritos instaurados no caso, ao menos um foi concluído. Nele, a mãe da criança está sendo apontada como responsável pela morte do filho. Se condenada, pode cumprir de seis a 20 anos de prisão. O segundo pode ser finalizado nos próximos dias.

"O inquérito foi concluído e encaminhado ao Judiciário. Foi indiciada pelo crime de homicídio doloso, mesmo que na forma de dolo eventual. Entendemos que ela assumiu o risco", declarou o delegado delegado Wilyney Santana Borges, responsável pelo inquérito.

Laudo

O exame de necropsia no corpo da criança constatou que a menina nasceu com 54 centímetros, pesando 3,5 quilos. O ferimento corte-contuso na cabeça apresentava mais ou menos dois centímetros. A morte ocorreu em consequência de traumatismo craniano.          

veja também