MENU

Conselho de Enfermagem orienta paciente para a prevenção de erros

Conselho de Enfermagem orienta paciente para a prevenção de erros

Atualizado: Segunda-feira, 13 Dezembro de 2010 as 4:32

Em entrevista ao SPTV desta segunda-feira (13), o presidente do Conselho Regional de Enfermagem de SP (Coren-SP), Cláudio Porto, alerta pacientes e acompanhantes para os procedimentos tomados em hospitais e prontos-socorros. Algumas dicas e orientações podem prevenir erros de profissionais da saúde.

Segundo Porto, o paciente deve exigir durante o processo assistencial a identificação perfeita do profissional que está atendendo com o nome, fotografia legível e a categoria profissional. “Se for criança ou idoso, que seja um técnico de enfermagem que é o profissional mais competente do que o auxiliar”. Também é essencial pedir a presença do enfermeiro da unidade.

Peça para ver o produto que será utilizado no tratamento e questione o profissional. “Não sente passivamente na cadeira ou deite numa cama”. O profissional não deve conduzir todo o processo sem qualquer questionamento.

Sobre as condições dos profissionais de enfermagem, o presidente explica que existem três tipos: o auxiliar de enfermagem, que tem o ensino fundamental completo mais um curso de um ano na área; o técnico de enfermagem, que tem o ensino médio completo e o curso de técnico na área; e o enfermeiro, que é o profissional que fez faculdade.

Para ele, teria que ter um auxiliar para cada cinco crianças, um técnico para cada cinco crianças e um enfermeiro para cada dez. “Não é essa a realidade que a gente encontra nos hospitais que têm convênio com o Sistema Único de Saúde (SUS), porque a remuneração é extremamente abaixo do custo operacional”.

Rótulos em recipientes

Em hospitais, o caminho que o medicamento percorre até o paciente é sempre uma preocupação. “Pode haver erro na hora da interpretação da prescrição médica, por exemplo, não entender a letra do médico”, fala a coordenadora de enfermagem, Elizabethe Akemi Nishio.

Nas farmácias dos hospitais, os profissionais separam os remédios prescritos pelos médicos e as equipes de enfermagem aplicam as doses. Uma das medidas para evitar a troca de medicamentos que são muito parecidos é mantê-los em embalagens diferentes.

O Hospital de Transplantes, na Zona Sul da capital, usa rótulos de cores diferentes para identificar os remédios. Para diminuir os riscos, a Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere que os profissionais de enfermagem sigam um protocolo de atendimento. Verificar se é a dose certa, da droga certa, para o paciente certo e qual é a via certa (boca, veia, reto, músculo, pele) para aplicar e o horário certo. Assim, o resultado será certo.

Para o superintendente do Hospital de Transplantes, Otávio Becker, o cuidado redobrado dos profissionais de saúde tem que ser uma filosofia. “Todo mundo tem que checar tudo o que está fazendo, para evitar qualquer tipo de risco, qualquer tipo de engano. Porque a gente sabe que o engano faz parte do ser humano, mas a gente não pode achar que isso é normal.”    

veja também