Contra euforia tucana, campanha de Dilma investe em Minas

Contra euforia tucana, campanha de Dilma investe em Minas

Atualizado: Quinta-feira, 7 Outubro de 2010 as 1:50

Com um olho nos 14,5 milhões de eleitores mineiros e outro no que a campanha de José Serra (PSDB) à presidência planeja fazer para alcançá-los, a candidata petista Dilma Rousseff desembarca em Belo Horizonte nesta quinta-feira (7). No início da tarde, ela participa de um corpo a corpo no centro da capital mineira e depois segue para Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana.

A coordenação da campanha petista inicia uma pesada investida no segundo colégio eleitoral do Brasil para tentar não só manter sua liderança em Minas como aumentar os votos em larga escala. Para isso, a primeira movimentação da campanha de Dilma foi escalar o vice-presidente José Alencar (PRB) para ser o coordenador em Minas no segundo turno.

Agora, a ordem é mobilizar aliados do PT, PMDB e outros partidos da base e tentar injetar gás na campanha. Com a derrota sofrida por Hélio Costa (PMDB) e Patrus Ananias (PT) na disputa ao governo do Estado para o candidato tucano Antonio Anastasia, o sinal de alerta se acendeu imediatamente no comitê mineiro de Dilma. Sem palanque forte, coube a saída de emergência, trazendo para o fogo cruzado o vice de Lula, que, mesmo com a saúde debilitada, já mostrou que irá se empenhar na tarefa.

  Mapa do voto

À primeira vista, o mapa do voto mineiro é favorável à campanha petista. No Estado, ela recebeu 5.067.399 votos, contra 3.317.872 de Serra e outros 2.291.502 de Marina Silva, do PV. O que dez entre dez petistas e peemedebistas temem é que a real entrada em cena do ex-governador Aécio Neves (PSDB) - principal cabo eleitoral de Serra no Estado - azede as estatísticas. Além de se eleger senador, Aécio emplacou a reeleição de seu candidato ao governo e a de Itamar Franco (PPS), também para o Senado.

Além disso, sobra preocupação com o destino que o PV irá tentar dar aos votos de Marina. Esses, sim, podem fazer a maior diferença em todo o Brasil. Em Minas, o partido foi aliado do então governador Aécio (2003 a março de 2010) e tem uma ala interna favorável ao apoio a Serra Coordenador regional da candidatura ao lado de Alencar, o presidente estadual do PT, Reginaldo Lopes, disse que o momento é "excelente" e que a busca agora é por trazer para Dilma os votos de Marina, a terceira colocada na corrida presidencial. Ele nega que haja preocupação extrema com a estratégia tucana e com a movimentação de Aécio Neves (PSDB) à frente da campanha de Serra.

Provocação

Em tom de provocação, Lopes afirmou que "Aécio sabe que é bom para Minas a eleição de Dilma", já que ela é nascida no Estado. O dirigente petista ainda garantiu que a estrutura de campanha no Estado está sendo pensada para ter a "cara de Minas". "O mineiro tem um voto muito consciente, politizado. E este voto tem muito a ver com o voto da Marina e da Dilma". Por isso, discursa, os eleitores da senadora verde tenderiam para a candidata do PT.

Ele afirma que a candidatura de Serra está atrelada ao ex-presidente Fernando Henrique (PSDB), enquanto a de Dilma está colada na figura de Lula. A ideia, aliás, é trazer o presidente a Minas já na próxima semana para reforçar o palanque petista e conter a euforia que toma conta do tucanato com a tripla vitória no primeiro turno.     Postado por: Guilherme Pilão

Com um olho nos 14,5 milhões de eleitores mineiros e outro no que a campanha de José Serra (PSDB) à presidência planeja fazer para alcançá-los, a candidata petista Dilma Rousseff desembarca em Belo Horizonte nesta quinta-feira (7). No início da tarde, ela participa de um corpo a corpo no centro da capital mineira e depois segue para Ribeirão das Neves, na Região Metropolitana.

A coordenação da campanha petista inicia uma pesada investida no segundo colégio eleitoral do Brasil para tentar não só manter sua liderança em Minas como aumentar os votos em larga escala. Para isso, a primeira movimentação da campanha de Dilma foi escalar o vice-presidente José Alencar (PRB) para ser o coordenador em Minas no segundo turno.

Agora, a ordem é mobilizar aliados do PT, PMDB e outros partidos da base e tentar injetar gás na campanha. Com a derrota sofrida por Hélio Costa (PMDB) e Patrus Ananias (PT) na disputa ao governo do Estado para o candidato tucano Antonio Anastasia, o sinal de alerta se acendeu imediatamente no comitê mineiro de Dilma. Sem palanque forte, coube a saída de emergência, trazendo para o fogo cruzado o vice de Lula, que, mesmo com a saúde debilitada, já mostrou que irá se empenhar na tarefa.

  Mapa do voto

À primeira vista, o mapa do voto mineiro é favorável à campanha petista. No Estado, ela recebeu 5.067.399 votos, contra 3.317.872 de Serra e outros 2.291.502 de Marina Silva, do PV. O que dez entre dez petistas e peemedebistas temem é que a real entrada em cena do ex-governador Aécio Neves (PSDB) - principal cabo eleitoral de Serra no Estado - azede as estatísticas. Além de se eleger senador, Aécio emplacou a reeleição de seu candidato ao governo e a de Itamar Franco (PPS), também para o Senado.

Além disso, sobra preocupação com o destino que o PV irá tentar dar aos votos de Marina. Esses, sim, podem fazer a maior diferença em todo o Brasil. Em Minas, o partido foi aliado do então governador Aécio (2003 a março de 2010) e tem uma ala interna favorável ao apoio a Serra Coordenador regional da candidatura ao lado de Alencar, o presidente estadual do PT, Reginaldo Lopes, disse que o momento é "excelente" e que a busca agora é por trazer para Dilma os votos de Marina, a terceira colocada na corrida presidencial. Ele nega que haja preocupação extrema com a estratégia tucana e com a movimentação de Aécio Neves (PSDB) à frente da campanha de Serra.

Provocação

Em tom de provocação, Lopes afirmou que "Aécio sabe que é bom para Minas a eleição de Dilma", já que ela é nascida no Estado. O dirigente petista ainda garantiu que a estrutura de campanha no Estado está sendo pensada para ter a "cara de Minas". "O mineiro tem um voto muito consciente, politizado. E este voto tem muito a ver com o voto da Marina e da Dilma". Por isso, discursa, os eleitores da senadora verde tenderiam para a candidata do PT.

Ele afirma que a candidatura de Serra está atrelada ao ex-presidente Fernando Henrique (PSDB), enquanto a de Dilma está colada na figura de Lula. A ideia, aliás, é trazer o presidente a Minas já na próxima semana para reforçar o palanque petista e conter a euforia que toma conta do tucanato com a tripla vitória no primeiro turno.     Postado por: Guilherme Pilão

veja também