MENU

Corpo de idoso é velado duas vezes em Governador Valadares, em MG

Corpo de idoso é velado duas vezes em Governador Valadares, em MG

Atualizado: Quarta-feira, 21 Setembro de 2011 as 12:41

Atestado de óbito não foi emitido e causou transtornos

para a família. (Foto: Reprodução/TV Globo )

  Um corpo de um idoso de 100 anos foi velado duas vezes em Governador Valadares, na Região do Vale do Rio Doce de Minas Gerais. De acordo com a família, o velório começou na madrugada de sábado (17), mas foi interrompido porque o Hospital Municipal não tinha emitido atestado de óbito. O corpo precisou ser recolhido ao Instituto Médico Legal (IML) para perícia, e o enterro só aconteceu nesta segunda-feira (19). “Ficou como se a gente tivesse roubado o corpo pra fazer o velório”, disse ao G1 a filha Jéssica Maiara da Silva.

De acordo com Jéssica, depois do transtorno, o atestado de óbito de José Xavier da Silva foi emitido no domingo à noite, e o enterro realizado na segunda-feira com a presença das quatro filhas e da viúva do idoso.     Silva faleceu na noite de sexta-feira (16) no hospital e, logo após, um funcionário liberou o corpo para a funerária, segundo a filha. Ela disse que o funcionário teria informado que o atestado de óbito não poderia ser fornecido por ele e sim por um médico no dia seguinte. A família, segundo Jéssica, voltou ao hospital no sábado (17) para buscar o documento e se surpreendeu quando o médico disse que o corpo não deveria ter sido liberado.

Silva morreu depois de ficar internado durante sete dias no Hospital Municipal de Governador Valadares com um traumatismo craniano, que, de acordo com a filha, foi provocado por um tombo dentro de casa.

A diretora técnica do hospital, Márcia Magalhães, afirma que o funcionário liberou o corpo indevidamente sem passar por perícia. “O funcionário liberou indevidamente o corpo. Pois quando há uma causa externa, pelo Conselho Federal de Medicina, isso é obrigação do perito legal”, explicou a diretora técnica do hospital, Márcia Magalhães.

Jéssica disse que a família já procurou um adovogado para saber o que pode ser feito do caso.           

veja também