Corregedor quer ouvir empresas do mensalão do DEM

Corregedor quer ouvir empresas do mensalão do DEM

Atualizado: Quarta-feira, 3 Março de 2010 as 12

O corregedor da Câmara Legislativa do Distrito Federal, deputado Raimundo Ribeiro (PSDB), informou nesta quarta-feira (3) que vai convocar na próxima semana representantes de empresas acusadas de envolvimento no escândalo no governo do Distrito Federal.

A princípio, Ribeiro estima que cerca de dez pessoas serão chamadas a depor para fornecer elementos à Comissão Parlamentar de Inquérito da Codeplan e à Comissão Especial, criadas para investigar as denúncias de corrupção contra deputados e o governador afastado, José Roberto Arruda (ex-DEM, sem partido), que está preso na Polícia Federal.

O deputado lembrou que a CPI tem prazo de 120 dias para realizar seu trabalho. Nesse tempo, ouvirá depoimentos e convocará pessoas que forem citadas eventualmente durante as oitivas como envolvidas nas irregularidades. Ele próprio disse que se for arrolado para ser ouvido em qualquer instância, durante as investigações, seja na Câmara ou em outros órgãos, estará pronto para colaborar.

O esquema de corrupção no DF foi divulgado pela Operação Caixa de Pandora da Polícia Federal em 27 de novembro de 2009.

A operação abriu uma crise política que resultou na prisão de Arruda, na renúncia do ex-vice-governador Paulo Octávio (ex-DEM, sem partido) e em um pedido de intervenção federal no DF feito pelo procurador-geral da República, Roberto Gurgel.

O governador afastado está preso desde o dia 11 de fevereiro na Superintendência da Polícia Federal em Brasília. O STJ (Superior Tribunal de Justiça) determinou a prisão temporária de Arruda por uma suposta tentativa de suborno ao jornalista Edmilson Edson dos Santos, o Edson Sombra.

veja também