Corregedoria quer quebrar sigilo de policiais presos ao fazer escolta

Corregedoria quer quebrar sigilo de policiais presos ao fazer escolta

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:19

Operação da PF prendeu policiais e traficantes na

Zona Sul (Foto: Reprodução/TV Globo) A Corregedoria Interna da Polícia Civil deve pedir até o fim desta semana a quebra do sigilo fiscal, bancário e telefônico dos três policiais presos pela Polícia Federal ao fazer escolta de traficantes que fugiam da Favela da Rocinha , na Zona Sul do Rio. A informação foi confirmada nesta terça-feira (29) pela assessoria de imprensa da Polícia Civil.

O pedido será encaminhado ao Ministério Público estadual e também vai incluir os parentes mais próximos dos policiais, como mães, mulheres e filhos. Na sexta-feira (25), agentes da própria Corregedoria fizeram uma operação para investigar um suposto envolvimento dos policiais com crimes de lavagem de dinheiro .

Os três foram presos no dia 9 de novembro, junto com um PM reformado e um ex-policial militar, na Zona Sul. No momento da prisão, eles faziam a escolta de cinco traficantes que tentavam fugir da Favela da Rocinha que, na ocasião estava cercada para o início da ocupação policial na comunidade . Entre os traficantes escoltados estavam dois homens conhecidos como Coelho, apontado como o chefe do tráfico do Morro do São Carlos, e Carré. Horas depois, o traficante Antônio Bonfim Lopes, conhecido como Nem, foi preso em uma abordagem da Polícia Militar ao tentar fugir da Rocinha.

Policiais militares também são alvo de investigação

A Corregedoria Geral Unificada também investiga o motivo que levou seis policiais do 23º BPM (Leblon) à Favela da Rocinha, horas antes da prisão de Nem. Segundo informações, existe a suspeita de que os PMs iriam escoltar a fuga do traficante.

Informações recebidas pela Subsecretaria de Inteligência indicam que os policiais teriam desviado a rota de patrulhamento no dia 9 de novembro.        

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições