MENU

Curitiba: 3 em 4 linhas registraram atrasos em 2009

Curitiba: 3 em 4 linhas registraram atrasos em 2009

Atualizado: Segunda-feira, 28 Junho de 2010 as 8:55

Na cidade citada como exemplo de transporte coletivo, três em cada quatro linhas da Rede Integrada de Transportes (RIT) registraram reclamações de atrasos por parte dos usuários em 2009 (veja quadro). Ao todo, 74% das linhas do transporte público tiveram dificuldades em cumprir a tabela de horários estabelecida pela Urbanização de Curitiba (Urbs), empresa responsável pela administração do sistema de transporte coletivo da capital e parte da região metropolitana, e receberam queixa via Central 156. O descrédito do ônibus tende a tornar o transporte público cada vez mais individualizado, piorando o trânsito.

Diretor-executivo do Sindicato das Empresas de Transporte de Passageiros de Curitiba e Região Metropolitana (Setransp), Ayrton Amaral Filho diz que a pontualidade do sistema é de 99,8%. “Temos, porém, cada vez mais obstáculos. E o transporte coletivo não tem prioridade no trânsito”, afirma. Apesar de não haver estimativa nem a soma das multas cobradas pela Urbs às empresas em 2009, Amaral Filho afirma haver exagero por parte dos fiscais. “São milhares de multas com intervalo de dois minutos de atraso. O conceito deveria ser de orientar, pois a preocupação, assim como a da Urbs, é oferecer qualidade, o que se obtém trabalhando em conjunto”, opina. No total, 2,3 mil reclamações foram registradas pela Central 156 em um universo de 6,5 milhões de viagens realizadas no ano passado – média de 1 queixa a cada 2,8 mil viagens. Não é preciso esforço para encontrar filas nos pontos e tubos, sobretudo nos horários de pico. Nem todos os afetados pelos atrasos, contudo, se dispõem a registrar as queixas.

Com o passar do tempo, os atrasos, mesmo pequenos, derrubam a credibilidade do transporte público, na opinião de Luiz Cláudio Mehl, membro do Conselho Consultivo do Instituto de Engenharia do Paraná (IEP). “Se o ônibus não dá a resposta esperada, o usuário o abandona e passa a usar o transporte individual”, afirma. “É preciso criar vias exclusivas para o transporte coletivo e mecanismos para convencer os cidadãos a deixarem o carro em casa. Do contrário, o trânsito e os atrasos, por conse quê ncia, pioram”, acrescenta Mehl.

Professor de Transportes da Universidade Federal do Paraná (UFPR) Eduardo Ratton afirma que os sistemas se tornam a cada dia menos sustentáveis. “O número de passageiros está diminuindo, segundo a Agência Nacional de Transporte Público (ANTP). Como, em geral, os ônibus são demorados e inseguros, muitas pessoas optam pelo transporte individual”, avalia. Ratton lembra de uma pesquisa da própria ANTP, realizada no ano passado, para ilustrar o raciocínio. De acordo com o estudo, sai mais caro andar de ônibus do que de moto ou carro em Curitiba em percursos de até sete quilômetros. Os proprietários de veículos individuais podem economizar entre 14% e 228%.

Ranking

Quatro das cinco piores linhas de Curitiba, segundo os usuários, tiveram, no ano passado, problemas por causa de obras em seu trajeto ou alterações no itinerário ligados de alguma forma com a Linha Verde. Embrião da futura Linha Verde Norte, o trajeto percorrido pelo ônibus Mara canã/Linha Verde lidera a estatística de atrasos com 93 queixas, sendo que 89 delas acon teceram entre maio e julho. No período, a Urbs am pliou de dois para sete a frota de veículos. A empresa argumenta que a maior parte das reclamações se deve à dificuldade em adequar a demanda ao movimento e às obras no itinerário.

Postado por: Cristiano Bitencourt

veja também