MENU

CUT tenta mobilizar 300 lideranças para defesa de mínimo maior

CUT tenta mobilizar 300 lideranças para defesa de mínimo maior

Atualizado: Sexta-feira, 11 Fevereiro de 2011 as 10:04

A CUT tenta mobilizar 300 lideranças sindicais para irem ao Congresso, na terça, defender aumento do salário mínimo maior que os R$ 545 propostos pelo governo, informa a coluna de Mônica Bergamo, publicada na edição desta sexta-feira da Folha.

A presidente Dilma Rousseff encaminhou na quarta-feira ao Congresso o projeto de lei que define o novo valor do salário mínimo.

A Casa Civil informou que, em breve, divulgará o texto do projeto. O governo já havia anunciado que, no projeto, o salário mínimo seria de R$ 545. As centrais querem R$ 580. Parte da oposição sugere a apresentação de emenda elevando o salário para R$ 600.

O projeto já inclui a política de valorização de "longo prazo" do salário.

Na segunda-feira, o ministro Luiz Sérgio (Relações Institucionais) anunciou que esta política definiria regras de reajuste para o salário até 2014.

Na prática, é a formalização de regras já adotadas pelo governo desde 2007, quando foi firmado um pacto informal entre governo e centrais sindicais, pelo qual o reajuste obedece à inflação mais a variação do PIB de dois anos antes.

MANOBRA

O projeto encaminhado pelo governo também inclui a manobra que será utilizada pelo governo para conseguir colocar a proposta em votação na próxima terça-feira.

De forma a "furar a fila" de dez MPs (medidas provisórias) que trancam a pauta da Câmara, foi inserido no projeto de lei um artigo, sem qualquer relação com o salário mínimo, que "disciplina a representação fiscal para fins penais nos casos em que houve parcelamento de crédito tributário".

Por se tratar de matéria tributária, o projeto ganha prioridade sobre as medidas provisórias.

veja também