Defesa de Abdelmassih diz no STF que o médico ?agiu de boa-fé?

Defesa de Abdelmassih diz no STF que o médico ?agiu de boa-fé?

Atualizado: Sexta-feira, 7 Janeiro de 2011 as 4:31

Os advogados de defesa do médico Roger Abdelmassih entraram com uma petição no Supremo Tribunal Federal (STF) pedindo a retenção do passaporte dele, como forma de contestar a decisão da Justiça paulista, que pediu a prisão do médico nesta quinta-feira (6). No documento, protocolado na própria quinta, a defesa alega que Abdelmassih “agiu de boa-fé e apenas exercia seu direito quando requereu a renovação de seu passaporte”.

A 16ª Vara Criminal atendeu a um pedido de prisão feito por promotores do Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco), que desconfiaram de uma possível fuga quando ele tentou renovar o passaporte. A Polícia Federal de São Paulo informou que o requerimento foi feito na semana antes do Natal. Abdelmassih, especialista em reprodução assistida, foi condenado a 278 anos de prisão por estuprar pacientes. Mesmo com a condenação, ele está solto graças a um habeas corpus do STF em dezembro de 2009.

Até as 14h45 desta sexta-feira (7), a Secretaria de Segurança Pública não tinha informações sobre a prisão do médico. Policiais civis da Divisão de Capturas e da 1ª Seccional (Centro) fazem diligências para encontrar o foragido. A secretaria informou, no entanto, que qualquer policial que encontrar Abdelmassih pode prendê-lo.

Na petição, segundo o STF, os advogados do médico explicaram que pediram a retenção do documento de viagem “para evitar celeumas e alegar que, ao contrário do alegado no pedido de prisão preventiva, o paciente (denominação para o médico) agiu de boa-fé e apenas exercia seu direito quando requereu a renovação de seu passaporte”.

Por fim, os defensores de Abdelmassih dizem na petição que o cliente “abriu mão do seu direito de obtenção do documento de viagem”. O G1 procurou a defesa do médico. Em comunicado, repassado pela secretária do escritório, ela comunicou que “a defesa do doutor Roger está preparando as peças cabíveis para defender os direitos de seu cliente”.

veja também