MENU

Defesa diz que cunhado queria filho de jovem morta em aborto em MS

Defesa diz que cunhado queria filho de jovem morta em aborto em MS

Atualizado: Sexta-feira, 22 Julho de 2011 as 2:27

Silva teria proposto 'adotar' filho que a cunhada e

stava esperando (Foto: Reprodução/TV Morena)

  O gerente administrativo Hugleice da Silva, 26 anos, teria proposto adotar o filho que a cunhada Marielly Barbosa Rodrigues, 19 anos, estava esperando na tentativa de convencê-la a não realizar o aborto que resultou na morte da jovem. As informações são do advogado de Hugleice, José Roberto Rodrigues da Rosa, que falou ao G1 na manhã desta sexta-feira (22).

Ainda segundo o advogado, Hugleice teria tido conhecimento da gravidez da cunhada há cerca de um mês antes do crime. “Por várias vezes ele tentou convencer Marielly a não fazer o aborto, mas ela estava decidida”, explicou o advogado.  

Em depoimento à Polícia Civil, nesta quinta-feira (21), Hugleice confessou ter mantido relação sexual com a cunhada. Segundo o advogado, o cunhado informou que o fato teria acontecido uma única vez, neste ano, durante uma viagem à Mato Grosso.

Ele também relatou à polícia sua participação na ocultação do cadáver de Marielly, após o aborto malsucedido realizado pelo enfermeiro Jodimar Ximenes, 40 anos, em Sidrolândia, distante 70 quilômetros de Campo Grande.

O corpo da jovem foi encontrado em um canavial perto daquele município no dia 11 de junho, pouco menos de um mês após o desaparecimento da vítima ter sido noticiado.

Paternidade

Segundo informações do delegado que investiga o caso, Fabiano Nagata, a confissão de Hugleice o coloca como principal suspeito de ser o pai do filho que Marielly estava esperando. O advogado de Hugleice afirma que o cliente nega ser o pai da criança.

“Segundo o Hugleice, Marielly teria tido outros dois relacionamentos neste ano, um deles com alguém do escritório em que trabalhava e outro com um namorado”, explicou o advogado, sem revelar nomes.

Delegado afirma que caso está praticamente

elucidado (Foto: Tatiane Queiroz/ G1 MS)

  Investigações

A investigação é realizada pela Delegacia Especializada de Homicídios (DEH). De acordo com Nagata informou que o crime já está praticamente elucidado, mas que as investigações continuarão porque ainda faltam alguns esclarecimentos. Ele informou ainda que à polícia espera resultados de laudos periciais realizados dos exames realizados na caminhonete do cunhado, além dos medicamentos e macas apreendidos na residência do enfermeiro.

Ainda segundo o delegado, o cunhado de Marielly e o enfermeiro foram indiciados pelo crime de aborto com o consentimento da gestante - qualificado por morte, previsto nos artigos 126 e 127 do Código Penal, além do crime de ocultação de cadáver, previsto no artigo 211.

Os dois suspeitos estão presos. No dia 12 de julho a juíza Silvia Eliane Tedardi da Silva, da 1ª Vara de Sidrolândia, decretou, a pedido da polícia, a prisão temporária por trinta dias.

Enfermeiro

O advogado que representa o enfermeiro, David Moura de Olindo, informou que não houve mudanças na versão do cliente dele, que alega inocência.        

veja também