MENU

Defesa não admite que Macarrão assuma crime para livrar goleiro Bruno

Defesa não admite que Macarrão assuma crime

Atualizado: Segunda-feira, 12 Março de 2012 as 11:47

O advogado Wasley César de Vasconcelos respondeu às declarações do colega de profissão Rui Pimenta, que defende o goleiro Bruno Fernandes no processo sobre desaparecimento e morte de Eliza Samudio. “Acredito piamente na inocência de Luiz Henrique Romão”, disse sobre o cliente, de apelido Macarrão. Neste domingo (11), Pimenta admitiu que a ex-namorada do goleiro está morta e atribuiu o crime a Luiz Henrique Romão. A defesa de Macarrão acredita que Eliza não esteja mais viva por causa do tempo que está desaparecida, mas desafia sobre a localização do corpo.

“Ele [Rui Pimenta] já entrou no caso tendo essa visão paranormal do ocorrido. Não existe prova neste sentido, nenhuma prova. O que ele está fazendo é uma defesa que seja a melhor para o cliente dele. Se ele afirma com tanta certeza, ele precisa fazer o que a Polícia Civil não conseguiu até hoje, que é localizar os restos mortais da Eliza”, disse em entrevista ao G1nesta segunda-feira (12) na condição de advogado de Macarrão. Pimenta havia dito que vai sustentar no julgamento que Macarrão tomou a decisão de matar Eliza por ciúmes de Bruno.

Vasconcelos afirma que vai averiguar se o cliente foi sondado a participar de qualquer manobra para livrar o amigo Bruno da acusação de homicídio. “Quero saber quem esteve com ele no presídio nos últimos dias. Eu não admito a possibilidade de ele assumir um crime para livrar o Bruno. Se eu perceber que isso aconteceu, eu renuncio na hora”, disse. Segundo o advogado, que reside em cidade diferente da que Macarrão está preso, ele tem trabalhado bastante no processo e visita o cliente uma vez por mês.

Vasconcelos não revela em detalhes a estratégia de defesa, mas afirma que vai defender perante o júri a ausência de provas contra Luiz Henrique Romão e também a falta de materialidade do corpo. Para o advogado, cabe ao estado, por meio da Polícia Civil e do Ministério Público, provar o envolvimento do cliente dele na morte de Eliza Samudio. “Não sou eu que vou fazer provas de que ele não participou. É o estado que tem que provar que ele cometeu. O ônus da prova cabe a quem fez a acusação”, disse. Segundo advogado, o último contato de Macarrão com Eliza foi uma carona saindo do sítio do jogador, em Esmeraldas, na Grande BH, para que ela seguisse viagem até São Paulo.

O advogado de Macarrão diz que Eliza tinha muitos inimigos e por isso era “uma morta em potencial”. “Ela tinha um temperamento difícil, tinha relacionamento com vários homens casados. Era, entre aspas, uma morta em potencial porque tinha muitos inimigos e não era uma pessoa de boa convivência”, falou. Segundo Vasconcelos, para assumir a defesa de Macarrão, foi preciso estudar o comportamento da vítima por meio da internet e da busca de informações com pessoas que conviviam com Eliza.

Caso Eliza Samudio

O goleiro Bruno Fernandes e mais sete réus vão a júri popular no processo sobre o desaparecimento e morte de Eliza Samudio, ex-namorada do jogador. Para a polícia, Eliza foi morta em junho de 2010 na Região Metropolitana de Belo Horizonte , e o corpo nunca foi encontrado.

Após um relacionamento com o goleiro Bruno, Eliza deu à luz um menino em fevereiro de 2010. Ela alegava que o atleta era o pai da criança. Atualmente, o menino mora com a mãe da jovem, em Mato Grosso do Sul.

O goleiro, o amigo Luiz Henrique Romão – conhecido como Macarrão –, e o primo Sérgio Rosa Sales vão a júri popular por sequestro e cárcere privado, homicídio triplamente qualificado e ocultação de cadáver. Sérgio responde ao processo em liberdade. O ex-policial Marcos Aparecido dos Santos, o Bola, também está preso e vai responder no júri popular por homicídio duplamente qualificado e ocultação de cadáver.

Dayanne Rodrigues, ex-mulher do goleiro; Wemerson Marques, amigo do jogador, e Elenílson Vítor Silva, caseiro do sítio em Esmeraldas, respondem pelo sequestro e cárcere privado do filho de Bruno. Já Fernanda Gomes de Castro, outra ex-namorada do jogador, responde por sequestro e cárcere privado de Eliza e do filho dela. Eles foram soltos em dezembro de 2010 e respondem ao processo em liberdade. Flávio Caetano Araújo, que chegou a ser indiciado, foi inocentado.

Segundo o Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), não há previsão de data para o julgamento do caso Eliza Samudio.

veja também