MENU

Delegada e PM comentam agressão de militar contra mulher em Salvador

Delegada e PM comentam agressão de militar contra mulher em Salvador

Atualizado: Terça-feira, 10 Maio de 2011 as 4:15

A titular da Delegacia de Atendimento Especial à Mulher (Deam), Overanda Oliveira, comentou nesta terça-feira (10) a liberação do PM que foi flagrado por policiais agredindo a amante no subúrbio de Salvador, na noite de segunda-feira (9). O delegado plantonista da 5ª delegacia, Silvino Martins, passava com agentes pela Estrada Velha de Periperi quando perceberam a agressão. O homem foi preso em flagrante, levado para a Deam e liberado em seguida da unidade especializada em Periperi.

De acordo com a delegada, o PM é casado com outra mulher e mantinha um relacionamento extraconjugal com a vítima, que tem 19 anos. Segundo ela, a jovem não quis registrar a queixa na delegacia. “Nesses casos, ela tem a opção de registrar ou não a agressão”, esclarece a titular da Deam de Periperi. Ainda de acordo com Overanda Oliveira, a mulher alegou que o policial sustenta as filhas e que não queria que ele ficasse preso.

A delegada informou que depois de uma conversa com a vítima, a própria delegacia abriu um registro da ocorrência, mas o flagrante não foi feito, por isso o policial foi liberado. Segundo a titular, o PM vai responder por lesão corporal com base na Lei Maria da Penha e ficará à disposição da Justiça após o inquérito ser instaurado.

O PM e a vítima moram no mesmo conjunto habitacional, em Vista Alegre, no subúrbio ferroviário de Salvador. De acordo com o delegado Silvino Martins, o PM é lotado na 35ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM), no Iguatemi, em Salvador.

Versão da Polícia Militar

A Polícia Militar da Bahia informou, através da assessoria de imprensa, que já tomou conhecimento do ocorrido e vai acompanhar o andamento do inquérito. Segundo a PM, o caso não se configura como crime militar porque não aconteceu nas dependências da polícia e o PM não estava fardado no momento da agressão. Ainda de acordo com a polícia, se durante o andamento do inquérito for comprovada a agressão, será aberto um processo disciplinar contra ele.        

veja também