MENU

Denúncias sobre trabalho de enfermeiros crescem em SP

Denúncias sobre trabalho de enfermeiros crescem em SP

Atualizado: Quarta-feira, 8 Dezembro de 2010 as 5:22

Dados do Conselho Regional de Enfermagem de São Paulo mostram que o número de denúncias contra enfermeiros, auxiliares e técnicos cresceu neste ano. Entre 2000 e 2009 foram em 934 – uma média 100 por ano. Já nos últimos 12 meses – entre novembro de 2009 e novembro de 2010 – foram 356 denunciais.

O órgão acredita que os erros são tantos devido à má formação dos profissionais e da falta de boas condições de trabalho. No sábado (4), a menina Stéphanie dos Santos Teixeira, de 12 anos, morreu após ter vaselina líquida injetada em sua veia no lugar de soro.

“Muitas vezes o próprio profissional acaba encobrindo o que o outro fez, ou a instituição, que deveria trazer ao conhecimento do conselho para que sejam tomadas as medidas, e nem sempre também traz”, explicou Andréa Porto da Cruz, conselheira do órgão.   A auxiliar de enfermagem suspeita de injetar a vaselina na menina foi identificada a partir de depoimentos de duas funcionárias do hospital que estavam de plantão no dia em que a menina morreu. O nome dela está sendo mantido sob sigilo.

Segundo o delegado responsável pelas investigações, a auxiliar de enfermagem apontada como responsável pelo erro já foi intimada a prestar depoimento. O advogado de defesa confirmou que ela vai se apresentar.

De acordo com a polícia, a suspeita deve ser indiciada por homicídio culposo, quando não há intenção de matar. Nesta terça-feira (7), nove pessoas foram ouvidas pela polícia.

Abalada, a mãe de Stéphanie contou que precisa de remédios para se controlar desde a morte da filha. “A ficha não caiu ainda. Não sei quando vai cair. Eu sei que eu vou sofrer muito, eu tenho até medo de entrar numa depressão. Sabe, eu tenho até medo”, afirmou Roseane Teixeira.

Depois da troca dos medicamentos, o superintendente da Santa Casa, que administra o Hospital São Luiz Gonzaga, disse que a entidade pretende usar rótulos ou até vidros diferentes para guardar vaselina e soro. A medida deve ser tomada para que o erro não volte a acontecer. Os profissionais que atenderam a menina permanecerão afastados até o fim da sindicância aberta para apurar o caso, prevista para a próxima semana.

O Conselho Regional de Enfermagem recebe denúncias sobre falhas no atendimento ou outras reclamações pelo telefone (11) 3225-6300 ou no site www.coren-sp.gov.br .    

veja também