MENU

Deputados aprovam antecipar reajuste para polícia; chance de greve continua

Deputados aprovam antecipar reajuste para polícia

Atualizado: Quinta-feira, 9 Fevereiro de 2012 as 1:25

O projeto de lei foi encaminhado pelo governo do Estado em resposta à ameaça de greve das categorias, e todas as 11 parcelas do aumento previsto para este ano (0,915% mensal) serão aplicadas já neste mês.

A votação na Assembleia Legislativa (Alerj) ocorreu em sessão extraordinária e durou pouco mais de 15 minutos. Dos 60 parlamentares presentes no pleito, apenas um se manifestou contra o projeto de lei 1.184/12, o deputado Paulo Ramos (PDT).

Segundo ele, o projeto precisa ser ampliado antes de ser colocado em prática, já que não contempla os servidores do Degase (Departamento Geral de Ações Socioeducativas).

Policiais militares e civis, bombeiros e agentes penitenciários devem iniciar uma greve geral às 0h desta sexta-feira (10) caso a proposta seja aprovada em uma grande assembleia conjunta, envolvendo todas as categorias, que está marcada para esta quinta-feira, às 18h, na Cinelândia, na região central da capital.

Bombeiros dizem que prisão de líder não inviabiliza greve

A prisão na noite de ontem do cabo Benevenuto Daciolo, um dos líderes do movimento grevista dos bombeiros do Rio, não irá enfraquecer o ânimo dos servidores para uma eventual greve, disse o cabo Harrua Leal, vice-presidente da Associação SOS Bombeiros, principal entidade que lidera a pauta de reivindicações da categoria e que tem como presidente justamente Daciolo.

Ele foi preso ao desembarcar no Aeroporto Internacional do Galeão quando voltava de Salvador, na Bahia. Gravações telefônicas autorizadas pela Justiça e exibidas pelo “Jornal Nacional” revelam conversas do cabo discutindo estratégias para fortalecer o movimento grevista no Rio e pressionar pela aprovação no Congresso da PEC 300 –emenda constitucional que prevê o estabelecimento de um piso nacional para os salários de policias civis, militares e bombeiros.

“Temos uma assembleia geral marcada para hoje à noite. Ela está mantida e pode decidir pela greve sim. Os bombeiros do Rio já não suportam mais as condições salariais que aqui operam. O governo do Rio acha que vai enfraquecer o movimento com esta prisão, mas vai fortalecer. Estamos indignados com a prisão (de Daciolo)”, disse Leal.

Sindicato dos policiais civis diz que greve é "inevitável"

O Sindicato dos Policiais Civis do Rio de Janeiro (Sindpol) aprovou mais cedo um indicativo de greve em sua última assembleia antes da mobilização conjunta com policiais militares, bombeiros e agentes penitenciários.

"O governo não sabe lidar com a polícia em greve. E nós sabemos que o Rio de Janeiro vai entrar em greve, a segurança pública do Rio vai entrar em greve", afirmou uma das lideranças, identificado apenas como Oliveira --que esteve na Bahia para observar a estrutura funcional da greve dos PMs naquele Estado.

"A greve se tornou um caminho inevitável, já que o governo do Estado não consultou a categoria para perguntar se a proposta que nos foi apresentada era boa ou ruim. (...) A nossa onda é a greve. (...) Mas a gente não vai tacar fogo em ônibus. Isso é justamente o que o Estado quer para desqualificar a nossa luta", disse o presidente do Sindpol, Carlos Gadelha.

Os deputados estaduais da Alerj (Assembleia Legislativa) votam na manhã desta quinta-feira (9) uma proposta de antecipação de reajuste salarial encaminhada pelo governo do Estado --esta ainda não é o suficiente para esvaziar o movimento.

Se o Executivo fluminense não ceder até a noite de hoje e negociar as principais reivindicações das categorias, em especial o plano de cargos e salários e piso salarial de R$ 3.500, o estado de greve será oficializado às 0h do dia 10 de fevereiro.

Na área da Polícia Civil, a orientação das lideranças é a de que apenas 30% do efetivo --formado por agentes em estado probatório-- fiquem na ativa para atender ocorrências emergenciais, tais como crimes em flagrante, remoção de cadáveres em casos de homicídio, entre outros. Os grevistas seguirão a cartilha da Cobrapol (Confederação Brasileira de Trabalhadores Policiais Civis).

"90% das ocorrências não serão feitas", disse Gadelha. O presidente do sindicato enfatizou ainda que toda e qualquer ocorrência deverá ser encaminhada ao delegado de plantão.

"Só não pode é aparecer o FB [em referência à prisão de Fabiano Atanázio da Silva] na capa do jornal com a Polícia Civil em estado de greve", afirmou o diretor-jurídico do Sindpol, Francisco Chao, que já esteve à frente de uma paralisação da categoria em 2007.

"Os policiais que ficarem de plantão devem atender apenas situações emergenciais. Se aparecer uma mulher toda arrebentada na delegacia, por exemplo, o policial não pode deixar de enquadrar o marido na Lei Maria da Penha", completou Chao.

As ameaças de greve nas entidades de classe da segurança pública se intensificaram em vários Estados desde o início da greve dos policiais militares na Bahia, há dez dias, onde houve confronto entre PMs e militares do Exército chamados para reforçar a segurança.

Também já houve paralisações no Piauí, no Maranhão, no Ceará e em Rondônia. Outros seis Estados brasileiros, incluindo o Rio de Janeiro, podem parar em breve.

veja também