MENU

Dilma anuncia remédios para diabetes e hipertensão de graça

Dilma anuncia remédios para diabetes e hipertensão de graça

Atualizado: Quinta-feira, 3 Fevereiro de 2011 as 2:25

Ao completar seu primeiro mês de governo, a presidente Dilma Rousseff anunciou hoje a gratuidade para medicamentos contra a diabetes e a hipertensão em uma rede de 15 mil drogarias conveniadas à rede Farmácia Popular em todo o país.

A medida foi uma das primeiras promessas de campanha de Dilma. Hoje, o programa 'Aqui Tem Farmácia Popular' já garante desconto de 90% em medicamentos contra uma série de doenças, inclusive diabetes e hipertensão. As drogarias conveniadas terão até o próximo dia 14 para começar a garantir a gratuidade.

Em sua primeira solenidade pública no Palácio do Planalto como presidente, Dilma iniciou uma era de discursos técnicos, sem muito espaço para improvisos, em contraste com o estilo de seu antecessor Luiz Inácio Lula da Silva. Semelhança somente no atraso. A cerimônia começou 40 minutos depois do previsto.

Com a presença de 12 ministros, além do vice-presidente Michel Temer, dos governadores Agnelo Queiroz (DF) e Camilo Capiberibe (AP) e de senadores e deputados, Dilma buscou vincular o lançamento da gratuidade à sua meta de erradicar a pobreza extrema no país.

'[O programa] é uma de suas expressões. É uma forma pela qual estamos dando mais um passo para a erradicação da miséria', afirmou a presidente em seu discurso de 13 minutos.

No minuto final de seu discurso, abriu espaço para improviso. E, neste momento, fez referência ao governo Lula, citando o fato de que o programa Farmácia Popular teve início na gestão do antecessor.

Logo após a cerimônia, em rápido contato com a imprensa, a presidente fez uma brevíssima avaliação sobre seu primeiro mês como presidente.

'Eu acho que o primeiro mês foi de muito trabalho e acredito que é uma indicação da quantidade de trabalho que eu tenho nos próximos', disse.

ACORDO

Segundo o ministro Alexandre Padilha (Saúde), a gratuidade para os medicamentos contra diabetes e hipertensão não irá gerar custos extras para o ministério. De acordo com Padilha, foi feito um acordo com as empresas, que, segundo ele, aceitaram reduzir margens de lucro para garantir a oferta gratuita.

De acordo com o governo, existem hoje 33 milhões de brasileiros hipertensos.

Por Breno Costa / Ana Flor

veja também