MENU

Dilma reúne coordenação política da campanha para discutir governo de transição

Dilma reúne coordenação política da campanha para discutir governo de transição

Atualizado: Segunda-feira, 1 Novembro de 2010 as 3:19

A presidente eleita Dilma Rousseff (PT) está reunida na manhã desta segunda-feira com a coordenação política de sua campanha discutindo o governo de transição e sua agenda para os próximos dias.

A expectativa é de que a equipe de transição seja anunciada na próxima quarta-feira, tendo como coordenador político o presidente do PT, José Eduardo Dutra, e o ex-ministro Antonio Palocci como coordenador técnico. A primeira reunião já pode ocorrer na sexta-feira.

"A festa foi ontem. Agora é hora de trabalhar", disse Palocci.

Alguns assessores afirmam que a presidente eleita deve tirar uma folga a partir desta terça-feira até sábado, no Rio Grande do Sul. No fim de semana, a petista volta a Brasília para acompanhar a comitiva do presidente Luiz Inácio Lula da Silva em uma viagem à África e ao G-20.

Dilma recebe os assessores em sua residência no Lago Sul, área nobre de Brasília. Além de Dutra e Palocci, estão presentes o coordenador do programa de governo e assessor especial da Presidência para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, e o assessor Giles Azevedo, cotado para ser seu chefe de gabinete.

Garcia disse que Dilma começou a receber ontem telefonemas de lideres internacionais parabenizando pela vitória, como o presidente da França, Nicolas Sarkozy.

TRANSIÇÃO

Dilma tem uma verba de R$ 2,8 milhões e poderá contratar 50 funcionários para o governo de transição, que vai da proclamação da eleição (que em geral ocorre dois dias após o pleito) até 31 de dezembro.

Em agosto, o Ministério do Planejamento criou um grupo de trabalho formado por 30 servidores de vários órgãos que ficarão responsáveis por fornecer à transição as informações necessárias sobre o governo federal.

Com esses dados, será formada a "agenda dos 120 dias", com todos as medidas de curto prazo, como contratos, pagamentos a serem feitos, ações institucionais que precisam ser cumpridas.

A ideia da agenda é garantir que o próximo presidente não seja surpreendido por prazos e para dar continuidade a ações em andamento.

O grupo de trabalho ficará responsável por fazer um levantamento do que foi prometido pelo presidente Lula na campanha de 2006 e comparar com o que foi realizado.

O governo de transição será instalada no CCBB (Centro Cultural Banco do Brasil).

Por: Márcio Flacão e Ranier Bragon

veja também