Dirceu mobiliza militância do PT para se defender no STF

Dirceu mobiliza militância do PT para se defender no STF

Atualizado: Sexta-feira, 11 Fevereiro de 2011 as 10:08

O ex-ministro José Dirceu foi homenageado ontem em meio à comemoração do 31º aniversário do PT em um ato de desagravo que teve a presença de outros réus do processo do mensalão. O ato foi na sede do PT, no mesmo espaço ocupado pelo Diretório Nacional do partido.

Depois da reunião do diretório, Dirceu e seus apoiadores traçaram estratégia de atuação para este ano, para o qual está previsto o julgamento do mensalão.

No encontro, Dirceu afirmou que, "apesar do cerco", viajará pelo país para mobilização de militantes em sua defesa e de quadros da sigla. O grupo fixou um roteiro de viagens a partir deste mês.

"O partido precisa defender seus quadros. Cada vez mais, estamos convencidos de que esse é um julgamento político", afirmou o secretário de Habitação do DF, Geraldo Magela.

Revelado em junho de 2005, o escândalo derrubou Dirceu do ministério de Lula e dizimou a cúpula do PT da época. Ele ainda foi cassado na Câmara.

"Precisamos ter julgamento. Quero ser julgado, não quero que prescreva. Confio no STF, confio na Justiça", disse Dirceu, na entrada da festa de homenagem ao ex-presidente Lula, ontem.

Ele também comentou a tentativa do ex-tesoureiro Delúbio Soares --réu no mesmo processo-- de voltar ao PT. Disse que o diretório do partido vai analisar o caso.

Os deputados João Paulo Cunha e Josias Gomes estiveram no encontro, além de integrantes do Diretório Nacional, sobretudo da corrente majoritária do PT.

Recém-escolhido para a Executiva do PT, o deputado José Guimarães --cujo assessor fora flagrado com dólares na cueca em 2006-- também prestigiou Dirceu.

ORÇAMENTO

Uma hora antes, o Diretório Nacional aprovou resolução em que apoia a política fiscal do governo Dilma, apesar das críticas à dramaticidade dos cortes ao Orçamento e à alta de juros.

No documento - que incluiu de última hora manifestação em favor do critério de reajuste de salário mínimo fixado pelo Executivo--, o partido descreve o momento como o "início auspicioso do governo da companheira Dilma Rousseff".

"Sua defesa é questão central e estratégica do nosso partido e define o conjunto de nossas ações", diz o texto.

Elaborado pelo presidente nacional do PT, José Eduardo Dutra (SE), a resolução prega ainda "a instituição de um novo marco regulatório para as comunicações" como fundamental para a democracia econômica e social.

Por Catia Seabra / Ranier Bragon

Colaboraram FLÁVIA FOREQUE e NATUZA NERY, de Brasília

veja também