MENU

Diretor afastado do Dnit fala à Câmara sobre denúncias

Diretor afastado do Dnit fala à Câmara sobre denúncias

Atualizado: Quarta-feira, 13 Julho de 2011 as 10:21

                                  O diretor afastado do Departamento Nacional de Infraestrutura dos Transportes (Dnit), Luiz Antônio Pagot, presta esclarecimentos na manhã desta quarta-feira (13) em audiência pública na Câmara dos Deputados sobre suposto superfaturamento de obras sob responsabilidade do Ministério dos Transportes.

    Clique no vídeo ao lado para assistir ao depoimento ao vivo

Ao chegar na Câmara nesta quarta, Pagot disse ao G1 que "aguarda instruções" do Palácio do Planalto sobre se continuará no cargo. "O futuro a Deus pertence", disse sobre se continuaria no cargo após voltar de férias. Ele foi afastado da função no começo do mês e entrou de férias em seguida. Sobre se havia recebido alguma informação do Palácio do Planalto, ele afirmou: "Estou aguardando instruções".

Na terça, Pagot foi ao Senado e negou ter conhecimento de irregularidades em obras da pasta.

O diretor foi afastado da cúpula do ministério após reportagem da revista "Veja" relatar que representantes do PR, partido ao qual pertence o ex-ministro Alfredo Nascimento e a maior parte da cúpula do ministério, funcionários da pasta e de órgãos vinculados teriam montado um esquema de superfaturamento e recebimento de propina por meio de empreiteiras. Nascimento deixou o cargo em razão das denúncias.

Pagot está de férias. O Palácio do Planalto chegou a informar que, quando ele retornar, deve deixar o cargo em definitivo. De acordo com o Planalto, ele havia pedido em novembro do ano passado férias de 30 dias a partir do dia 4 de julho. Ainda segundo a assessoria do Planalto, após este período ele pedirá exoneração ou será exonerado. A saída definitiva de Pagot foi acertada com a ministra da Casa Civil, Gleisi Hoffmann.     Em depoimento no Senado, Luiz Antônio Pagot afirmou que todas as denúncias em relação ao Dnit são investigadas pelos órgãos de controle. “Não sou de tapar o sol com a peneira. Não afirmei que não existem ilícitos. Afirmo que nós trabalhamos para corrigir os ilícitos. Nós não escondemos, o Dnit não esconde os problemas que tem”, afirmou Pagot.

Durante mais de quatro horas de depoimento, Pagot classificou de “factoides” as denúncias de suposto superfaturamento em obras comandadas pelo Dnit e disse que “refutava” as acusações. “Inicialmente, quero refutar todas as acusações que são feitas a minha pessoa”, afirmou Pagot, que chegou ao Senado por volta de 8h20, sem falar com a imprensa.

Novo ministro

O novo ministro dos Transportes, Paulo Sérgio Passos, disse nesta terça que pretende fazer "ajustes" na pasta, mas que isso depende de uma decisão da presidente Dilma Rousseff. "Fazer ajustes significa tomar todas as atitudes que sejam necessárias e isso envolve naturalmente troca de pessoas e modificações em processos", afirmou.

Ao ser perguntado se o diretor afastado do Dnit, Luiz Antônio Pagot, continuaria no cargo, Passos respondeu que as decisões serão tomadas por Dilma. "Não posso aqui antecipar uma decisão que é da presidenta Dilma. Seguramente vou estar conversando com ela para ouvir sua orientações, mas não tenho dúvida de que faremos mudanças", disse Passos.            

veja também