MENU

Discussão acaba em tiro em universidade particular no Rio

Discussão acaba em tiro em universidade particular no Rio

Atualizado: Sábado, 17 Março de 2012 as 9:12

iG Rio de Janeiro

Confusão envolveu PM e ex-PM que estudam na instituição. Não houve feridos

 

 

Campus da Universidade Estácio de Sá, no Rio Comprido, onde ocorreu a confusão entre alunos na noite de sexta-feira (16)

Foto: Ana Branco / Agência O Globo

Uma discussão entre um policial militar e um ex-PM acabou com um disparo em uma unidade da Universidade Estácio de Sá no bairro do Rio Comprido, na zona norte do Rio. Os dois são alunos da instituição e, segundo a Polícia Civil, a discussão teria começado porque o PM Bruno Motta Rodrigues já teria prendido o ex-PM Udilson Paulo Pereira de Oliveira. Ninguém se feriu.

 

Rodrigues, que é aluno do curso de Direito, afirmou em seu depoimento que notou ter sido seguido por Oliveira, estudante de Educação Física, no caminho da universidade. Ao entrar na escola, ele afirmou que conversava com uma colega quando percebeu que Oliveira continuava próximo. Rodrigues, então, teria pedido que a colega chamasse a polícia.

Ainda de acordo com o depoimento, Oliveira se aproximou de Rodrigues e começou a fazer ameaças. O PM afirmou que deu um tiro para o alto para tentar acabar com as ameaças. Já o ex-PM disse que o tiro foi disparado contra ele. A discussão continuou até que a Polícia Militar chegou e separou os dois alunos. Eles foram levados para a delegacia, onde prestaram depoimento.

A Polícia Civil investiga se houve tentativa de homicídio de Rodrigues contra Oliveira, e registrou o ex-PM por injúria e ameaça. Já a Polícia Militar informa que abriu sindicância para apurar o caso.

A Estácio informou em nota que as aulas transcorreram normalmente após o incidente. “A instituição de ensino enfatiza que está à disposição das autoridades competentes para contribuir com as investigações e que, após conclusão do inquérito policial, abrirá inquérito administrativo para garantir que as cláusulas que regem a conduta acadêmica sejam cumpridas”, acrescentou a escola.

 


Continue lendo...

veja também