Disque-Denúncia recebe mais de 50 ligações sobre morte de juíza

Disque-Denúncia recebe mais de 50 ligações sobre morte de juíza

Atualizado: Domingo, 14 Agosto de 2011 as 10:05

O Disque-Denúncia recebeu mais de 50 informações sobre oassassinato   da juíza Patricia Acioli até a noite deste sábado. A juíza foi morta no fim da noite de quinta-feira (11) quando chegava em sua casa, em Niterói, na região metropolitana do Rio.

Segundo o serviço, a maior parte das informações trata sobre possíveis envolvidos do crime. Quem tiver informações relevantes para a investigação pode entrar em contato pelo telefone 0/xx/21/2253-1177 --o anonimato é garantido.

A juíza foi morta às 23h45 quando chegava em sua casa após uma sessão no fórum de São Gonçalo, na região metropolitana. De acordo com o delegado Felipe Ettore, responsável pela   investigação   do assassinato, Acioli foi morta com   21 disparos   por um procedimento de emboscada.

Segundo a polícia,   imagens   de câmeras de segurança flagraram o momento em que os criminosos fugiam após o crime. Testemunhas afirmaram que eles estavam em dois carros e duas motos, mas o número exato de criminosos que participaram da ação ainda é desconhecido.   INVESTIGAÇÃO

A polícia não descarta nenhuma linha de investigação. Há suspeitas contra milícias, grupos de extermínio, agiotas, máfias de vans e até de crime passional.

A juíza, além de ter sofrido várias ameaças por causa de suas decisões rigorosas contra policiais corruptos, teve registros de agressão do namorado, o cabo da PM Marcelo Poubel, em pelo menos duas ocasiões.

Segundo a Secretaria de Segurança do Rio, foi registrada queixa contra o policial em 2006 por uma "surra" que ele teria dado na juíza publicamente, em uma churrascaria.

No começo deste ano, quando estavam separados, ele invadiu a casa de Acioli e a flagrou no quarto com outro homem --um agente penitenciário. Uma queixa por agressão contra o policial foi registrada na 81ª DP (Itaipu).

Recentemente, a juíza reatou o relacionamento com o policial. A   Folha   não conseguiu localizar Poubel.

Ontem, ele prestou   depoimento   durante seis horas na Delegacia de Homicídios da Barra da Tijuca, que investiga o caso, e também foi   ouvido   pela Corregedoria da PM.   ESCOLTA

De acordo com o presidente da Associação dos Magistrados do Rio, Antônio Siqueira, a juíza   dispensou , em 2007, a segurança oferecida pelo Tribunal de Justiça aos juízes ameaçados --ela recebia escolta desde 2002.

Ele disse que, na época, ela explicou que seu companheiro era policial e que ele se encarregaria de sua segurança.

Entretanto, familiares da juíza   contestaram   a versão. Eles afirmam que Patrícia continuava recebendo ameaças e as relatava por meio de ofício ao Tribunal de Justiça, que negou pedido de escolta.    

veja também