Dissidente petista diz que votou para evitar "constrangimento"

Dissidente petista diz que votou para evitar "constrangimento"

Fonte: Atualizado: sábado, 31 de maio de 2014 09:55

O deputado Francisco Praciano (PT-AM) foi um dos dois deputados petistas que votaram pela aprovação da emenda de R$ 560, contrariando a orientação do governo e de seu partido.

Segundo ele, a atitude foi para "tentar compensar sua cabeça e seu coração e evitar constrangimento" por causa do aumento de mais de 60% concebido aos deputados e senadores.

No ano passado, os parlamentares reajustaram seus próprios salários de R$ 16,5 mil para R$ 26,7 mil.

O petista diz que ninguém do governo o procurou após a votação e afirmou não acreditar em nenhum tipo de retaliação.

"Como posso entender que um partido dos trabalhadores retalie um parlamentar que em determinado momento tentou dar um aumento de R$ 0,50 por dia para o trabalhador?", questionou.

Praciano negou ainda temer por cortes em suas emendas parlamentares. "Não faço política com emendas e nem com cargos."

Sobre a cena política "inusitada" de ver deputados de seu partido vaiados por centrais sindicais e os da oposição aplaudidos, disse que essa "pressão é natural e faz parte do jogo".

Na próxima batalha para a presidente Dilma Rousseff na Câmara, Praciano deve seguir a mesma linha. Disse que quer um reajuste maior na tabela do Imposto de Renda do que os cerca de 4,5% defendidos pelo governo.

Francisco Praciano e Eudes Xavier (PT-CE) foram os únicos deputados petistas que votaram contra os R$ 545, valor que foi mantido pela Câmara na noite de ontem.

O PMDB, principal aliado do PT, votou 100% com o governo.

Por Maria Clara Cabral

Siga-nos

Mais do Guiame

O Guiame utiliza cookies e outras tecnologias semelhantes para melhorar a sua experiência acordo com a nossa Politica de privacidade e, ao continuar navegando você concorda com essas condições