Divisa entre ES e BA é fiscalizada para combate a roubo de madeira

Divisa entre ES e BA é fiscalizada para combate a roubo de madeira

Atualizado: Quarta-feira, 7 Dezembro de 2011 as 12:20

Mais de 20 pessoas já foram presas pelo Núcleo de Repressão às Organizações Criminosas e à Corrupção (Nuroc) em uma operação que cumpre 33 mandados no Espírito Santo, São Paulo, Minas Gerais e na Bahia, nesta quarta-feira (7). Os detidos e procurados são funcionários de siderúrgicas e empresários suspeitos de formar quadrilhas que agem, principalmente, no Espírito Santo. Só no estado, já foram presas mais de dez pessoas. De acordo com o delegado Jordano Leite, policiais federais e militares fiscalizam as principais vias da divisa da Bahia com o Espírito Santo para cumprir o mandado de apreensão a 200 caminhões que estariam transportando a madeira.

Essas quadrilhas, de acordo com a polícia, montam um esquema criminoso de roubo de madeira e sonegação fiscal na venda de carvão. A operação começou às 4h desta quarta-feira em Aracruz, João Neiva e Pedro Canário, municípios do Norte do estado.  Cerca de 300 policiais, com a ajuda de três helicópteros, participam da operação.

Cerca de 300 policiais participam da operação, que cumpre 33 mandados em quatro estados. (Foto: Reprodução/TV Gazeta) Uma pessoa foi detida em Aracruz e um policiail civil foi preso na Bahia, suspeito de fazer escolta dos caminhões que levavam a madeira roubada. Segundo a polícia, escutas telefônicas indicam que ele cobrava R$ 400 por cada caminhão. Outras prisões também aconteceram no Sul da Bahia. Segundo a polícia, uma concessionária de carros, da cidade de Teixeira de Freitas, é usada para lavar dinheiro do esquema. De acordo com a polícia, essas quadrilhas atuam há dez anos. A sonegação de impostos chega a R$ 1,2 bilhão de reais, e as empresas que compram e vendem o carvão de forma irregular são colocadas em nome de laranjas.

Equipamentos apreendidos eram usados no corte da madeira. (Foto: Reprodução/TV Gazeta) Segundo o delegado Jordano Leite, os suspeitos detidos foram encaminhados para a base do Ministério Público de Teixeira de Freitas, na Bahia, onde serão interrogados por promotores e, depois, levados de volta ao Espírito Santo.

Esquema

Segundo o Nuroc, madeira foi roubada de propriedades particulares e até de reservas ambientais. A investigação apontou que o furto de madeira é apenas um crime de esquema bem maior. Segundo a polícia, a madeira era transportada em caminhões e levada para carvoarias clandestinas. De acordo com a polícia, no Espírito Santo e na Bahia, 5 mil fornos fazem carvão de maneira irregular.

Polícia Civil faz operação no Norte do Espírito Santo (Foto: Divulgação/Nuroc) "Depois, o produto é comprado por uma empresa, que revende o carvão para siderúrgicas, principalmente de Minas Gerais. Só que essa empresa sonega impostos e, assim, consegue vender por um preço bem menor. Este ano a polícia intensificou a investigação e já apreendeu motosserras, aparelhos de emitir nota fiscal eletrônica e armas", contou Jordano Leite.

Segundo o delegado, em 2011 mais de 300 pessoas já foram presos suspeitos de de lavagem de dinheiro, formação de quadrilha, crime ambiental, falsidade ideológica e sonegação fiscal. O delegado que comanda a investigação no Espírito Santo disse que esse é o maior esquema de sonegação de impostos que já foi montado no estado.

"Praticamente não ocorreu nenhum recolhimento de ICMS e tributos federais. Nós acreditamos que somente nos últimos cinco anos as cifras chegam a aproximadamente 1 bilhão de impostos sonegados", afirmou Jordano.

Madeira foi roubada de propriedades particulares e até de reservas ambientais (Foto: Divulgação/Nuroc)        

veja também