MENU

Dois moradores de Niterói arrastados por esgoto continuam internados

Dois moradores de Niterói arrastados por esgoto continuam internados

Atualizado: Terça-feira, 19 Abril de 2011 as 11:07

Dois moradores que foram arrastados pela enxurrada de esgoto em Niterói, na Região Metropolitana , vão passar por novos exames nesta terça-feira (19), no Hospital de Clínicas, onde estão internados. Um deles teve fratura no ombro e escoriações e o outro sofreu traumatismo craniano. Ambos estão estáveis e lúcidos, mas ainda não há previsão de alta.

O laudo do Instituto Estadual do Ambiente (Inea) sobre os danos ambientais causados pelo vazamento fica pronto nesta terça-feira (19). O relatório foi elaborado por técnicos da Gerência de Licenciamento de Atividades de Saneamento e Resíduos do instituto. O valor da multa, no entanto, ainda será decidido numa reunião do Conselho Diretor do Inea. Procurada pelo G1 , a assessoria do Inea informou, nesta manhã, que a reunião ainda não foi marcada.

Vídeo mostra momento do vazamento

Um vídeo feito por uma moradora do bairro Ponta D'Areia, em Niterói, logo após o vazamento , mostra a lama ainda alta na rua e os carros arrastados. As causas do acidente que deixou dez pessoas feridas ainda estão sendo investigadas.

Por volta das 13h de domingo, uma parede da Estação de Tratamento de Esgoto (ETE) Toque-Toque da concessionária Águas de Niterói se rompeu. Segundo a companhia, a força da correnteza do esgoto que vazou fez com que carros estacionados próximos ao local boiassem e batessem uns nos outros.

A parede do reservatório que se rompeu tinha 7 metros de altura e 60 de comprimento. Quando caiu liberou 6 milhões de litros, algo como duas piscinas olímpicas e meia de esgoto. “Eu só vi aquele estouro, um monte de árvore vindo, carro trepando em cima de carro. Eu ainda cortei o meu e tive que ir para o hospital levar ponto”, contou o vendedor Vagner Lopes.

Moradores pensaram em tsunami

Logo atrás da estação de tratamento fica a Baía de Guanabara. Na hora que a parede se rompeu, a onda foi tão grande e a enxurrada que arrastou os carros pela rua foi tão violenta que várias pessoas relataram a mesma coisa. Todos imaginaram que o mar estava invadindo o bairro. Além dos carros, restaurantes também foram atingidos.  

“Uma onda gigantesca, muito grande mesmo, entrando no campinho, na praça. A gente entrou em desespero, pânico, a gente pensou: 'tsunami!'”, disse a designer Bárbara Armond, também moradora do bairro.

O aposentado Ubirajara da Costa foi arrastado por quase cem metros. Ele sofreu cortes e fraturou o pé: “A água me cobriu todo, ingeri daquela água ali, aquela água imunda, podre. Só deu tempo de gritar para os amigos: ‘Corre!'”, contou.

“As pessoas que foram afetadas por esse acidente serão indenizadas e estão sendo assistidas, assim como todo e qualquer prejuízo material será ressarcido pela concessionária Águas de Niterói”, segundo Dante Luvisotto , diretor da concessionária.

Investigação

A polícia também recolheu amostras de concreto, que serão encaminhadas para uma perícia no Conselho Regional de Engenharia: “Para ver se eles fazem uma análise do material usado na estrutura, para ver se isso contribuiu para o colapso da parede. Agora, isso pode ter sido infiltração, pode ter sido vários motivos”, afirmou o delegado Fábio Pacífico.      

veja também