MENU

Duas bibliotecas-parques serão inauguradas até o fim do ano no Rio

Duas bibliotecas-parques serão inauguradas até o fim do ano no Rio

Atualizado: Terça-feira, 10 Maio de 2011 as 8:38

Mais duas bibliotecas-parques serão inauguradas até o fim do ano no Rio de Janeiro. No mês de julho será em Niterói, região metropolitana, e até setembro na Rocinha, em São Conrado, na zona sul da cidade. Os novos espaços para leitura e estudos seguirão os padrões da sala high tech de Manguinhos, zona norte, que foi inaugurada há cerca de um ano.

O conceito da biblioteca como um espaço físico onde são preservados diversos tipos de publicações está mudando. Com os avanços das tecnologias da informação e comunicação, as bibliotecas ganharam novas definições e funções: são centros culturais e de lazer, como as bibliotecas-parques de Manguinhos.

No espaço hi-tech da comunidade da zona norte, 40 computadores com acesso à internet, notebooks, livros eletrônicos, três milhões de músicas em arquivo digital e 780 filmes formam o acervo do local que oferece ainda cursos profissionalizantes e oficinas gratuitas, além de conteúdo exclusivo para portadores de deficiências visuais. Os novos centros culturais também receberão acervos interativos e equipamentos de última geração.

A secretária de cultura, Adriana Rattes, estipula os prazos para os serviços começarem a funcionar.

- Na biblioteca-parque do centro de Niterói, as obras serão entregues nos próximos dias. Precisaríamos de mais um mês e meio para treinar os funcionários e organizar o acervo. Na biblioteca da Rocinha, estamos na fase de acabamento, de compra de equipamentos e de acervo. Acredito que, assim que inaugurarmos a de Niterói, vamos começar o treinamento dos profissionais da Rocinha.

Muito mais que um acervo de livros

Há um ano, o espaço de Manguinhos, de 2,3 mil m², inspirado nas bibliotecas-parque de Medelin e Bogotá, na Colômbia, aproxima os leitores do mundo digital. Baseado na ideia de que as bibliotecas não precisam ser silenciosas, o centro multicultural realiza atividades literárias e culturais para atender aos 500 visitantes que passam pelo local diariamente e que podem consultar ou pegar emprestado os mais de 25 mil títulos disponíveis.

A coordenadora cultural do espaço de Manguinhos, Ivete Miloski, faz um resumo do que seria as bibliotecas mais modernas.

- A biblioteca-parque tem um conceito mais amplo do que a tradicional, vai além de ter um acervo literário e de oferecer empréstimos de livros. O usuário pode folhear os livros, espalhadas por todo o espaço, à vontade. A unidade foca na formação de leitores, porque propõem cursos e oficinas. Nós investimos em conteúdo pessoal e no crescimento de cada frequentador. Por exemplo, em breve, um Cine Teatro entra para a lista de “acervos” do espaço.

Mais de mil títulos nacionais e internacionais nos e-books

As principais atrações da moderna biblioteca são seus três e-books (livros digitais), que armazenam aproximadamente 500 obras. São mais de mil títulos nacionais e internacionais disponíveis para leitura. Toda a tecnologia disponível chama a atenção de jovens como Marina Batista, de 15 anos, e Letícia Farias, de 14. Elas passam até seis horas por dia no espaço, onde assistem a filmes, consultam livros e navegam pela web para fazer seus deveres escolares.

Mariana, uma das frequentadoras da sala cheia de tecnologia, fala o porquê de ficar tanto tempo ali.

- Eu venho à biblioteca há um ano e esse passou a ser o meu refúgio. Gosto de estar em um espaço cheio de tecnologia, calmo e, ao mesmo tempo,animado. A Biblioteca de Manguinho é a extensão da minha casa.

Programa em família

Assim que a biblioteca-parque foi inaugurada, a dona de casa Rosana Nascimento dos Santos criou em seu filho Guilherme, de apenas 4 anos, o hábito da leitura. O espaço virou programa em família. Pelo menos duas vezes por semana, Rosana aproveita as tardes livres para passear pela biblioteca. Enquanto ela acessa a internet e lê um bom romance, o pequeno Guilherme folheia livros infantis e histórias em quadrinhos na brinquedoteca do espaço.

- Eu também levo muitos livros para casa e leio para meu filho dormir. Quero que ele tenha contato com a literatura. Aproveito também para pegar DVD gratuitamente. É ótimo ter um espaço como esse para reforçar a cultura da minha família. O Guilherme gosta muito de ficar na biblioteca, ele adora o espaço colorido.        

veja também