MENU

Eletricista de MS prefere ficar com bala no rosto a ser operado

Eletricista de MS prefere ficar com bala no rosto a ser operado

Atualizado: Segunda-feira, 29 Agosto de 2011 as 4:19

Eletricista passou fim de semana com dor

e vomitou sangue (Foto: Tawany Marry/G1 MS)

  O eletricista Ildo Wazlawck, de 39 anos, que teve uma bala alojada no rosto após acidente de trânsito, na sexta-feira (26), em Campo Grande, passou o fim de semana com dor de cabeça e chegou a vomitar sangue. O projétil entrou pela testa e está alojado no seio paranasal frontal (localizado no osso frontal).

Apesar do incômodo, prefere ficar com o projétil no corpo a ter que se submeter a uma cirurgia. Wazlawck foi atingido com três tiros por um caminhoneiro que bateu no carro dele.        “Estou sentido muita dor de cabeça, forte mesmo, cheguei a vomitar sangue, mas o médico disse que isso é normal”, disse Wazlawck. Nesta segunda-feira (29), o eletricista voltou à delegacia onde registrou a ocorrência e ao Instituto de Medicina e Odontologia Legal (Imol), para exame de corpo de delito.

Apesar do incômodo, o eletricista prefere ficar com a bala alojada na testa do que ser submetido a cirurgia. “Por mim, deixa quieto, tenho medo de ficar com rosto desfigurado, sei lá”.

Wazlawck foi ferido no fim da tarde de sexta-feira. Ele relatou à Polícia Civil que estava sendo 'fechado' por um caminhoneiro, na rua Joaquim Dornelas, no bairro Amambai. O eletricista ultrapassou o veículo e aí o caminhão bateu na traseira do carro dele.

O eletricista diz que saiu do carro para conversar com o caminhoneiro. “Ele já abriu a porta do caminhão armado”. Wazlawck lembra que pediu para o homem abaixar a arma para que pudessem conversar tranquilamente. “Ele não disse nada, nem discutiu, já atirou na minha testa. Ele atirou para matar”. Segundo a vítima, o condutor do caminhão não saiu do veículo. Wazlawck chegou a cair, mas levantou e tentou tirar a arma do caminhoneiro. O homem atirou mais duas vezes e o empresário caiu de novo. “Eu rolei para o lado para ele não passar por cima de mim com o caminhão”. Toda a ação, segundo ele, não teria durado dois minutos.

O ex-sogro do empresário, que estava no carro com a vítima, saiu e começou a pedir socorro. “Eu estava consciente, lembro que ele (ex-sogro) andava de um lado para o outro gritando 'meu amigo está morrendo, meu amigo está morrendo'.

A vítima foi levada para a Santa Casa de Campo Grande. De acordo com o eletricista, os médicos constataram que as duas balas que o atingiram no queixo transfixaram. Uma delas chegou a atingi-lo no ombro antes de sair. A terceira bala entrou pela testa e está no seio paranasal frontal, no osso frontal.

“Agora fiquei com um pouco de medo, com certeza vou ter cautela no trânsito, medo da reação do outro. Você nunca sabe quem está armado e quem não está, nunca tinha parado para pensar nisso”.

O eletricista acredita que escapou por um milagre. “Deus tem algum plano para minha vida, não chegou a minha hora não”.

O caso será investigado no 1ºDP de Campo Grande.

Eletricista voltou ao local do crime no sábado e encontrou projétil deflagrado (Foto: Tawany Marry/G1 MS)                

veja também