MENU

Em evento em Belém, Lula não fala sobre saída de Erenice Guerra

Em evento em Belém, Lula não fala sobre saída de Erenice Guerra

Atualizado: Sexta-feira, 17 Setembro de 2010 as 10:23

Na primeira aparição pública depois da demissão da ministra-chefe da Casa Civil, Erenice Guerra, o presidente Luiz Inácio Lula da Silva não falou sobre o assunto. Lula participou na tarde desta quinta-feira (16), em Belém (PA), de cerimônia de divulgação de editais para contratação de obras em rodovias federais.

O presidente falou por cerca de 20 minutos e abordou apenas os investimentos feitos pelo seu governo nas áreas de infraestrutura e educação. Ele saiu de Brasília no começo da tarde, l ogo depois de o Palácio do Planalto ter confirmado a demissão de Erenice Guerra. Lula afirmou que, apesar de ser ano eleitoral, ele fez a opção de não paralisar os trabalhos de infraestrutura feitos pelo governo.

“Num ano eleitoral, normalmente quem é representante do Poder Executivo fica um pouco quase que amordaçado porque a partir do mês de junho você não pode fazer convênio com nenhum estado. Eu tomei a decisão de que o processo eleitoral não para o processo do governo. Eu tomei como decisão que não houvesse nenhum truncamento no processo administrativo. Se a gente não aproveita o dia como hoje e vem lançar os editais, ao invés de você estar inaugurando uma coisa daqui a um ano, vamos inaugurar daqui a dois anos”, afirmou.

O presidente afirmou ainda que, diante da situação em que o país se encontra, “não há possibilidade de haver retrocesso”

“Tem sempre alguém para meter o dedo e não permitir que as coisas andem. E nós não brincamos nestas coisas. Eu tinha medo do segundo mandato, e foi o segundo mandato que me permitiu criar o PAC e nos permitiu olhar na cara dos empresários e dizer que nunca antes na história desse país se pode criar tanto empregos e pagar tantos salários”, afirmou.

Durante o discurso, o presidente ainda criticou a falta de investimentos de governos anteriores, especialmente em educação.

“Eu não vou fazer comparação com outros governos porque nunca ninguém investiu mais do que eu em educação. É até uma vergonha que alguém que governou antes de mim, que sou um metalúrgico sem ensino universitário, e tenha sido eu quem mais investiu em universidades e escolas técnicas no país”, disse.

veja também