MENU

Em livro, psicólogas mostram como o abuso sexual contra crianças pode ser evitado

Em livro, psicólogas mostram como o abuso sexual contra crianças pode ser evitado

Atualizado: Terça-feira, 14 Abril de 2009 as 12

O abuso sexual contra crianças pode ser evitado. É o que defendem a professora do departamento de psicologia da Universidade Federal de São Carlos (Ufscar) Lucia Cavalcanti de Albuquerque Lins e a bolsista e pós-doutoranda Eliane Aparecida Campanha Araújo, no livro Prevenção de Abuso Sexual Infantil: um Enfoque Interdisciplinar.

A obra foi lançada na semana passada, em São Paulo. Lucia e Eliane mostram no livro que pode-se evitar a violência sexual contra as crianças com a participação do Estado, a preparação das próprias crianças para o reconhecimento do abuso e a aplicação de punição aos responsáveis pelos abusos. ''Temos vários tipos de prevenção. Em uma delas, a criança é ensinada a agir de forma a se proteger. E pode-se começar a trabalhar com a criança desde muito pequena, sem precisar falar a palavra 'sexo'', disse Lucia.

O trabalho de educar a criança para se proteger contra a violência já vem sendo desenvolvido na cidade de São Carlos (SP) e está sendo copiado em outras regiões do estado. As crianças fazem um curso, em que são ensinadas a dizer não ao agressor e a sair rapidamente de uma situação de violência, contando o fato imediatamente a algum adulto de sua confiança. ''Ensina-se à criança que há dois tipos de segredo. Um deles bom, como esconder uma festa de aniversário surpresa. Mas o segredo ruim - como alguém que faz algo que ela não gosta - esse, a criança não pode guardar. Esse, ela tem de compartilhar com um adulto de confiança, alguém em casa ou uma professora'', esclareceu Lucia.

A outra forma de prevenção, na avaliação da professora, é o Estado cumprir seu papel. Segundo ela, crianças que vivem em áreas sem lazer, por exemplo, são mais sujeitas a abusos sexuais, principalmente quando esse fator é aliado à falta de uma boa supervisão dos pais. ''O abuso pode ser prevenido pelo governo, pelo Estado. Por exemplo, injetando dinheiro em programas de capacitação e conscientização, criando sociedades mais seguras que respeitem e protejam a criança e oferecendo lazer e lugares onde a criança possa ficar, algo como uma creche, com gente capacitada'', explicou a professora.

Lucia reconhece que essas formas de prevenção são insuficientes se a Justiça também não exercer o seu papel de punir o agressor. ''Não adianta fazermos um trabalho com o professor para ele identificar a violência contra a criança se depois o sistema não fazer nada. Em São Carlos, até então, a impunidade era geral. O agressor sexual não era punido. E essa é uma mensagem complicada porque você está dizendo para a sociedade que esse delito não importa, que é café pequeno'', analisou.

Por isso, ela defende que a criança vítima de abuso sexual possa contar à Justiça o seu caso e apontar o agressor, proposta que recebeu o nome de Depoimento sem Dano e que vem sendo estudada pelos conselhos de psicologia em todo o Brasil.

Segundo Lucia, esse ato de prestar um depoimento à Justiça é sempre traumático para a criança, mas é, ainda assim, melhor do que ela silenciar sobre a violência da qual foi vítima. ''Ao contar, vê-se que aquilo teve um efeito sobre ela, é compartilhador. Mas isso deve ser feito com acompanhamento de gente capacitada. Ela não deve fazer isso na frente de um advogado que vai fazer perguntas ríspidas, incutindo culpa nessa criança'', afirmou.

veja também