MENU

Em menos de um ano, Dilma muda quatro vezes de casa

Em menos de um ano, Dilma muda quatro vezes de casa

Atualizado: Quarta-feira, 29 Dezembro de 2010 as 9:52

2010 foi o ano mais agitado da vida pública da presidente eleita Dilma Rousseff. Ela não só percorreu uma longa caminhada nos seis meses de campanha eleitoral – período em que teve de atravessar o país – como também foi obrigada a mudar quatro vezes de casa em menos de um ano.

As mudanças são resultado do seu status na vida pública – ora ministra, ora candidata, ora presidente eleita. Entre março e novembro, a petista teve de mudar três vezes de residência e, no próximo dia 1º, quando vai tomar posse, segue para a residência oficial no Palácio da Alvorada.

Por ter deixado a Casa Civil, em março, para concorrer à Presidência, Dilma abandonou a residência oficial destinada aos ministros, que fica numa área do Lago Sul, bairro nobre de Brasília. O local é conhecido como “península dos ministros”.

De lá, mudou-se para outra residência, também no Lago Sul. Desta vez, como era candidata e não exercia função pública, quem pagava o aluguel era o PT.

Após a vitória no segundo turno, em 31 de outubro, Dilma continuou mais algumas semanas na casa alugada. Ali, repórteres, fotógrafos e cinegrafistas revezavam-se quase 24 horas por dia à espera de uma fala ou de uma mera aparição da presidente eleita.

O assédio passou a incomodar Dilma, que queria mais privacidade em sua vida pessoal. O estopim para a nova mudança aconteceu no dia em que, ao abrir a porta da garagem, viu vários jornalistas entrarem em sua casa.

À procura de isolamento, Dilma achou o lugar perfeito para “se esconder”. Escolheu a Granja do Torto, uma das residências oficiais da Presidência da República, que serve como casa de campo. Não podia ser melhor. Longe do centro de Brasília, a casa fica a uma distância considerável da portaria e também de jornalistas e curiosos.

A partir daí, nem mesmo as tradicionais fotos com Dilma acenando de dentro do carro foram tiradas. Os carros do comboio da presidente eleita saem da Granja em alta velocidade e, não raro, usam saídas alternativas para despistar quem está à sua espera.

Alvorada

Agora, após tomar posse, Dilma passará a viver na residência oficial número um da Presidência, o Palácio da Alvorada. Próximo ao Palácio do Planalto, a casa tem área total de mais de 7.000 m², o que equivale a sete campos de futebol. Há cinema, capela e galinheiro.

Para lá, Dilma pretende levar a mãe, Dilma Jane, e a tia Arilda. Separada, a presidente eleita não terá em casa a companhia de um primeiro-cavalheiro.

Já sua filha, Paula, e o único neto, Gabriel, moram em Porto Alegre e não pretendem se mudar para Brasília. Os dois devem passar temporadas e finais de semana com a mãe. Na Granja do Torto, a propósito, já há um berço para Gabriel.

veja também