MENU

Escritor Alain de Botton narra experiência de passar uma semana em aeroporto

Escritor Alain de Botton narra experiência de passar uma semana em aeroporto

Atualizado: Terça-feira, 5 Outubro de 2010 as 2:04

E não é que os paulistanos que iam passar suas tardes em Congonhas, fascinados pelo subir e descer de aviões nos anos 60, tinham lá sua dose de razão?

"Os aeroportos são o centro imaginativo do mundo moderno. É lá que devemos ir para encontrar todos os temas da modernidade: globalização, velocidade, destruição ambiental, consumismo, crises familiares e perda da individualidade", diz à Folha Alain de Botton para explicar por que escreveu "Uma Semana no Aeroporto" , que está saindo aqui.

Na verdade, a obra foi produzida por encomenda da administradora do aeroporto londrino de Heathrow.

Em meados deste ano, o autor suíço de língua inglesa passou uma semana trabalhando como escritor residente em uma mesa solitária no terminal cinco.

Trata-se de um prodígio do arquiteto inglês Richard Rogers inaugurado em 2008.

De Botton tinha autorização para circular por todas as áreas e abordar quem quisesse --passageiros, autoridades da imigração, funcionários, áreas de embarque e desembarque e a cozinha.

"Essa semana passada lá foi a realização de um sonho, porque aeroportos se caracterizam justamente pelo excesso de medidas de segurança e por regulamentos pouco amistosos."

DUAS SOGRAS

Mas que personagens povoaram seu "sonho"?

O bígamo.

"Um passageiro me explicou que estava visitando sua família em Londres, mas tinha uma outra em Los Angeles que não sabia da existência da primeira. Tinha cinco filhos e duas sogras."

A humilhada.

"Havia também uma funcionária do check-in que, quando o passageiro a tratava de modo rude, informava a ele que o sistema o elevara de classe no voo. Após ver o sorriso de satisfação estampado no seu rosto, ela lhe dizia que a máquina desfizera a operação e o colocara de volta na classe inicial."

MORTES NO FREE SHOP

O que mais o surpreendeu? "A frequência de mortes. Em Heathrow, ocorrem, em média, três por semana --muitas no Free Shop."

"Aeroportos nos aproximam da possibilidade da morte. Isso nos liberta de inibições e hábitos cotidianos."

Mas nosso escritor é um otimista incorrigível:

"A perspectiva de um acidente aéreo pode fazer maravilhas por um casamento debilitado".

UMA SEMANA NO AEROPORTO

AUTOR Alain de Botton

TRADUÇÃO Maria Luiza Jatobá

EDITORA Rocco

QUANTO R$ 33,50 (124 págs.)

AVALIAÇÃO bom

Postado por: Guilherme Pilão

veja também