MENU

Escutas revelam que fraudes em plantões médicos vêm desde 2005

Escutas revelam que fraudes em plantões médicos vêm desde 2005

Atualizado: Quarta-feira, 22 Junho de 2011 as 8:05

Anotações de médicos em um livro e escutas telefônicas divulgadas nesta terça-feira (21) revelam que o esquema de fraude nos plantões dos hospitais estaduais de São Paulo existia pelo menos desde 2005. Cópias do livro de controle dos plantões revelam o que acontecia no Hospital Estadual de Sorocaba, no interior.

    Em janeiro de 2005, uma médica reclamou que o plantão ficou aos cuidados de um residente. “Por não ter médico no pronto-socorro, deixei o plantão da enfermaria aos cuidados de uma residente. Não concordo, mas não tive escolha”, diz ela na gravação.

No mesmo mês, uma médica residente reclama de ter que cuidar dos pacientes sozinha, sem supervisão, como prevê a lei. "Venho fazer uma queixa de que não há plantonista na enfermaria. Como residente, estou sozinha, sem chefe. Um absurdo, pois na escala estava um plantonista."     Em agosto, uma funcionária reclama do mesmo problema. “Não havia nenhum médico responsável na enfermaria. Acho uma situação de extrema gravidade”.

As queixas continuaram por mais três anos. Em 2008, o diretor técnico de Serviços de Saúde, Antonio Carlos Guerra, advertiu os funcionários. “Este é um livro não de dasabafos ou críticas mal definidas, peço maior cuidado nas anotações".

O Hospital Estadual de Sorocaba está no centro das denúncias que levaram à prisão de 12 pessoas na semana passada. Todas são acusadas de participar de um esquema em que médicos recebiam plantões que não faziam. No domingo (19), o secretário estadual de Esportes, o neurocirurgião Jorge Roberto Pagura, pediu demissão depois de ser citado como suspeito de participação em uma reportagem do Fantástico.

Nesta segunda-feira (20), o coordenador estadual de Serviços da Saúde, Ricardo Tardelli, também pediu demissão. Em uma escuta, ele afirmou que as fraudes aconteciam em vários hospitais.

Escutas autorizadas pela Justiça divulgadas nesta terça-feira mostram conversas em que o ex-diretor do hospital de Sorocaba, Heitor Consani, aprende com outro ex-diretor a disfarçar as ausências nos plantões. Sidnei Abdalla diz para Consani justificar as faltas alegando que está atendendo fora do hospital e em outros horários.

Heitor Consani foi diretor do conjunto hospitalar até quinta-feira (18), quando foi preso. Sidnei Abdalla ocupou o mesmo cargo de 2005 até 2008.

O advogado de Heitor Consani, Alberto Toron, informou que aguarda ter acesso às informações do processo e que por enquanto seu cliente não vai se pronunciar sobre as denúncias.            

veja também