MENU

Especialistas estudam garantias para crianças em processo de adoção

Especialistas estudam garantias para crianças em processo de adoção

Atualizado: Sexta-feira, 4 Junho de 2010 as 11:27

Psicólogos, juízes e assistentes sociais estão reunidos em Campo Grande, nesta quinta-feira (3), para discutir formas de evitar casos em que a criança adotada se torna vítima de pais despreparados.

O Encontro Nacional de Apoio à Adoção busca soluções para diminuir o tempo de espera das crianças nos abrigos, mas sem correr o risco de que elas sofram com famílias que não estão preparadas para a adoção, e sejam até devolvidas aos orfanatos.

O objetivo também é evitar que ocorra com outras crianças o que aconteceu recentemente com a menina de 2 anos, que foi torturada. A mãe adotiva dela, uma procuradora aposentada do Rio de Janeiro, está presa.

A chegada de um filho adotivo nem sempre é só alegria. No primeiro dia aqui em casa ela não queria ficar. Ela queria voltar para o orfanato, disse Diná Guimarães de Campos, mãe de Joice, 7 anos. Eu estava assustada, não queria que ela fosse minha mãe. Foi aos poucos que ela me conquistou, disse a menina.

Pela nova lei as crianças e adolescentes só podem ficar no máximo dois anos nos abrigos. Mas até sair a decisão definitiva do juiz são muitas idas e vindas. Em alguns casos os candidatos a pais levam as crianças pra casa numa fase de adaptação e desistem de adotar no meio do caminho.

Por ano em média cinco crianças são devolvidas na Vara da Infância em Campo Grande e os pais adotivos dão cada desculpa, como o fato de que a criança é bagunceira, disse Ana Paula Queiroz, coordenadora de abrigo.

Essas três irmãs foram devolvidas duas vezes. O que eu mais quero é pai e mãe, disse uma das meninas.

Hoje, no Brasil, mais de três mil crianças vivem em abrigos esperando por adoção.

Postado por: Cristiano Bitencourt

veja também