Ex-presidente do Banco Central assume presidência da Viva o Centro

Ex-presidente do Banco Central assume presidência da Viva o Centro

Atualizado: Quinta-feira, 17 Março de 2011 as 3:58

O ex-presidente do Banco Central (BC) Henrique Meirelles foi nomeado na tarde desta quinta-feira (17) presidente da associação paulistana Viva o Centro. O evento de posse aconteceu na BM&FBovespa, no Centro da capital paulista.     A associação, que atua pela recuperação e pelo desenvolvimento sustentável da região central da cidade, completa 20 anos em 2011. Ela foi fundada com o objetivo reverter o processo de declínio que a região vivia à época.

Meirelles esteve à frente da Viva o Centro quando a associação foi criada, em 1991. Ele, porém, teve de se afastar do cargo nos últimos oito anos para se dedicar à presidência do BC.

Autoridade Olímpica

Além da associação, Meirelles também irá presidir a Autoridade Pública Olímpica (APO), órgão que será criado para coordenar as obras necessárias para as Olimpíadas de 2016, que acontecerá no Rio de Janeiro. A indicação para o cargo foi feita na segunda-feira (14), pela presidente Dilma Rousseff.

“A olimpíada moderna é muito mais do que os jogos esportivos, a parte olímpica do processo. É uma experiência de revitalização urbana que tem evoluído, e Londres é uma experiência de grande sucesso”, disse Meirelles.

O órgão contará com 171 funcionários comissionados e terá seu controle dividido entre o Conselho Público Olímpico, composto por representantes da presidente da República, do governador do Rio, do prefeito, e por Meirelles. “A minha função é coordenar os esforços das três esferas do governo e assegurar que as Olimpíadas sejam o sucesso que o Brasil e o mundo inteiro espera. O evento será simbólico da capacidade do Brasil de fato ocupar esse novo espaço que tem no mundo”, disse Meirelles.

O mandato de presidente da APO é de quatro anos, com possibilidade de recondução por mais quatro. A indicação de Meirelles ainda deverá ser ratificada pelo Senado. Ele terá um salário de R$ 22.100 e só perderá o cargo se renunciar, por condenação penal transitada em julgado ou por decisão definitiva ao fim de um processo administrativo disciplinar.

Sobre as duas funções que irá desempenhar, ele disse que “são trabalhos de natureza diferente. Um é trabalho profissional [APO] e aqui é um trabalho no terceiro setor [Viva o Centro]. Eu acredito nessa dualidade. Existe muito a ganhar se fizermos esse trabalho juntos”, afirmou.    

veja também