MENU

Ex-presidente do BC e empresários são indiciados pela PF

Ex-presidente do BC e empresários são indiciados pela PF

Atualizado: Sexta-feira, 25 Março de 2011 as 10:05

A Polícia Federal indiciou o ex-presidente do Banco Central Persio Arida em um dos inquéritos da Operação Satiagraha, por suposta prática de gestão fraudulenta, evasão de divisas e formação de quadrilha, à época em que ele foi um dos dirigentes do Opportunity Fund, do banqueiro Daniel Dantas.

Também foram indiciados sob a acusação de evasão de divisas 42 cotistas do fundo, segundo o inquérito. A Folha obteve o nome de 26 deles.

Cotistas do Opportunity Fund negam ter cometido crimes

Entre os acusados estão o secretário estadual de Desenvolvimento e Promoção do Investimento do Rio Grande do Sul, Mauro Knijinik, o empresário Romeu Chap Chap, a dona da rede "Amor aos Pedaços", Silvana Abramovay Marmont, e o sócio da casa de espetáculos HSBC Brasil Gladson Tedesco.

O inquérito da PF investigou o fundo de investimentos Opportunity Fund, sediado nas Ilhas Cayman. Ele participou das privatizações de estatais ocorridas no governo de Fernando Henrique (1995-2002), quando adquiriu, entre outros ativos, a tele Brasil Telecom e o terminal de contêineres do porto de Santos.

A legislação não permite que investidores residentes no Brasil tenham recursos no fundo, pois os rendimentos das aplicações na carteira estão isentos do pagamento de Imposto de Renda.

Porém, segundo a investigação, administradores do fundo ofereceram a moradores do país a possibilidade de burlar as regras fiscais brasileiras, investindo na carteira.

De acordo com as apurações, ex-funcionários do Opportunity testemunharam que Arida coordenou as operações de captação do fundo trabalhando no escritório do Opportunity em São Paulo, e se reportava a Daniel Dantas e à irmã dele, Veronica.

O inquérito aponta que Arida foi diretor das companhias gestoras do fundo, a Opportunity Asset Management Inc. e a Opportunity Asset Management Ltda., no período de 1996 a 1999.

Arida foi presidente do Banco Central em 1995 e hoje é um dos principais sócios do executivo André Esteves no Banco BTG Pactual.

INVESTIGAÇÃO

Mais de 60 cotistas foram ouvidos pela PF, mas só aqueles que depositaram mais de US$ 100 mil na carteira foram indiciados, pois o Banco Central determina a declaração de depósitos no exterior a partir desse valor.

Segundo o inquérito, os indiciamentos ocorreram após a confissão de parcela significativa dos cotistas do Opportunity, perícias, cruzamento com informações do caso Banestado e testemunhos de doleiros e ex-funcionários do Banco Opportunity.

O inquérito foi concluído em agosto pelo delegado Milton Fornazari e foi enviado para o Ministério Público.

Cabe à Procuradora decidir se acusa formalmente os indiciados à Justiça. Se isso ocorrer e o Judiciário aceitar a denúncia, eles se tornarão réus em ação criminal.

veja também