MENU

Ex-subchefe da Polícia Civil do Rio é transferido para Bangu 8

Ex-subchefe da Polícia Civil do Rio é transferido para Bangu 8

Atualizado: Sábado, 12 Fevereiro de 2011 as 10:21

O ex-subchefe da Polícia Civil do Rio Carlos Antônio Luiz Oliveira foi transferido na madrugada deste sábado para o presídio Bangu 8 após se entregar na tarde de ontem à PF (Polícia Federal).

Oliveira, que era atualmente subsecretário da Secretaria Especial de Ordem Pública da Prefeitura do Rio --cargo do qual foi exonerado -- é acusado de envolvimento com uma milícia que comanda a favela Roquete Pinto, na zona norte do Rio. Essa milícia teria participado do desvio de armas apreendidas no Complexo do Alemão, ocupado por uma megaoperação policial e militar no fim do ano passado.

A Operação Guilhotina, cumpre 45 mandados de prisão --a maioria contra policiais civis e militares suspeitos de envolvimento em um esquema de desvio de armas e drogas, além de repasse de informações sobre ações policiais em favelas da cidade do Rio.

Já foram presas 35 pessoas --19 policiais militares, oito policiais civis e oito não policiais (veja lista abaixo). Um dos presos é o PM Carlos Eduardo Nepomuceno Santos, conhecido como Edu, primo do traficante Marcinho VP, um dos líderes da facção criminosa CV (Comando Vermelho), segundo a PF. Marcinho VP está no presídio federal de Porto Velho, em Rondônia.

OPERAÇÃO

Segundo a PF, os policiais se dividiam em quatro organizações : duas atuavam no fornecimento de armas e munições a traficantes de drogas; uma terceira estaria ligada a atividades de milícias que atuam em comunidades do Rio e também fornecia armas e munições ao tráfico; e outra faria segurança privada de grupos criminosos. De acordo com o Ministério Público Estadual, que instaurou inquérito para apurar a conduta de policiais, a suspeita é que eles também se apropriavam de bens e valores confiscados em apreensões da polícia. As investigações que levaram a operação tiveram início durante uma ação policial, ocorrida em 2009, que era conduzida pela Delegacia da Polícia Federal em Macaé --denominada Operação Paralelo 22, que tinha o objetivo prender o traficante Rogério Rios Mosqueira, conhecido como Roupinol, que atuava na favela da Rocinha junto com o traficante Antônio Francisco Lopes, o Nem.  

veja também